Nesta terça-feira, uma reunião do Conselho Arbitral da Ferj decidiu os custos operacionais do estádio do Maracanã. A entidade determinou o valor fixo de R$ 10,37 por torcedor em cada duelo. Todavia, deliberou R$ 311 mil como teto máximo. Assim, em duelos com público superior aos 30 mil pagantes, não haverá cobrança extra.

A decisão teve como molde a configuração contratual do Flamengo com o consórcio, mas prejudica diretamente os interesses do Fluminense. O Tricolor das Laranjeiras, pelo acordo especial com a administradora, não paga para mandar suas partidas. Curiosamente, a dupla Fla-Flu não mandou representantes para a reunião.

Além de rubro-negros e tricolores, não compareceram à reunião Barra Mansa e Boavista. Desta forma, a determinação foi referendada pelos outros 12 integrantes da elite carioca. A medida vale para todos os confrontos – não havendo, assim, distinção entre as quatro potências do estado e os demais postulantes ao troféu.

O encontro também discutiu alternativas referentes ao aluguel do Maracanã. Tal montante será calculado de acordo com o público presente – da mesma maneira que é configurado o contrato com o rubro-negro. Tais regras passam a valer a partir da 12ª rodada estadual.

Um ponto ausente na reunião foi o debate acerca dos critérios de aplicação do artigo 133 do Regulamento Geral de Competições (RGC), popularmente alcunhado como “lei da mordaça”. Como segue sob decisão judicial, a discussão sobre o tema acabou adiada.

Fonte: Yahoo!