Fim de temporada, o desejo e a necessidade do Botafogo de vender Igor Rabello não se confirmaram, pelo menos ainda. Para melhorar as finanças é um problema. Para o desempenho da equipe, no entanto, a manutenção do zagueiro é numericamente impactante para as pretensões alvinegras na próxima temporada.

Independentemente do parceiro de zaga, o desempenho do camisa 2 em 2018 foi dominante no time. Ele foi o jogador que mais atuou. Só não entrou em campo em um dos 62 jogos do Glorioso na temporada.

De acordo com dados do Footstats, ele lidera a equipe em dois quesitos importantes para jogadores da posição: nas interceptações, que foram 16, e nas rebatidas, que foram 290. A média de 7,9 por jogo lhe colocam como o maior rebatedor de todo o Campeonato Brasileiro.

Outros números provam a importância que o jogador revelado pelo Botafogo teve no ano: foram 50 desarmes no Brasileirão, que lhe colocam como o terceiro do time. Somente Moisés (53) e Matheus Fernandes (68) tiveram mais êxito. E apesar de a irregularidade ter sido a marca da equipe no ano, Rabello esteve constante.

– É um atleta extremamente profissional, ímpar na postura. Tenho certeza de que coisas boas acontecerão para ele na careira. Merecimento na vida é tudo. Se tiver oportunidade de ir para um grande clube da Europa, certamente vai ter destaque porque tem se preparado para isso – avalia o técnico Zé Ricardo,

Ou seja: seja agora ou mais tarde, o Botafogo deverá ter retorno técnico e financeiro se o defensor se mantiver em alto nível.

Fonte: Terra