Quando Fluminense e Botafogo se enfrentam, sobra tradição. Trata-se do clássico e da rivalidade mais longevos do futebol brasileiro. Só que isso parece ter se tornado pouco para atrair o público aos estádios. O duelo dá sinais de desgaste com a passagem do tempo. Neste domingo, às 16h, no Maracanã, a expectativa de público passa longe dos áureos tempos, ainda mais que as vitórias de Boavista e Flamengo ontem eliminaram o Botafogo das semifinais. Caso não perca hoje, o Flu pegará o Flamengo na quarta.

A última década não registrou bons públicos para o clássico. De 2010 até 2019, o jogo não consegue levar 30 mil torcedores às arquibancadas. O melhor público do período foram os 29.185 presentes no 2 a 0 do Botafogo sobre o Fluminense, em Brasília, pelo turno do Brasileiro de 2014.

Em oito ocasiões, o confronto atraiu menos de 10 mil nos últimos dez anos. O “recorde” foram os 4.550 que assistiram ao triunfo tricolor por 1 a 0, em Volta Redonda, no Brasileiro-2016.

Em campo, não faltaram ídolos (Fred e Deco do lado tricolor, e Seedorf e Loco Abreu, pelos alvinegros), nem jogos decisivos. Os dois decidiram um Carioca, além de turnos do Estadual.

Em 2012, na última vez que os dois clubes disputaram o título estadual, 28.182 viram o Flu golear o Botafogo por 4 a 1 no Nilton Santos, no primeiro jogo da decisão. Com a taça praticamente definida, o público da volta caiu: 25.016.

Para quem acha que os grandes públicos do clássico se limitam ao século XX, o Carioca de 2008 prova o contrário: 51.657 viram o Botafogo vencer o rival por 2 a 0 na semifinal da Taça GB. Na decisão da Taça Rio, 64.785 presenciaram novo triunfo alvinegro: 1 a 0. Na ocasião, a boa campanha do Flu na Libertadores mobilizou a torcida. Do outro lado, os botafoguenses viviam lua de mel com o time de Cuca.

Neste domingo, o Fluminense pode promover as estreias de Wellington Silva, que volta às Laranjeiras pela terceira vez; e do peruano Pacheco.

Fonte: Extra Online