Enquanto o trabalho do técnico Eduardo Barroca ainda dá os primeiros passos no Botafogo – treinador comandou a equipe em apenas três jogos -, um nome do elenco parece ter passado ileso à recente crise e apresenta um bom começo de Campeonato Brasileiro: o zagueiro Gabriel. Cria do Atlético-MG, ele foi envolvido na negociação que levou Igor Rabello para Minas Gerais, chegando a General Severiano após uma temporada em que perdeu espaço. No Alvinegro, porém, a história tem sido diferente.

Com 23 anos, Gabriel esteve presente em 19 do 20 jogos do Botafogo na temporada. Analisando-se todos os jogadores do Brasileiro, o defensor do Glorioso é o jogador com mais interceptações, mais passes (pouco mais de 95% de acerto) e mais posse de bola. Quando se olha apenas para o elenco alvinegro, ele ainda está no topo do quesito ‘rebatidas’ – todas as análises de acordo com número do “Footstats”. Até o momento, a equipe encarou São Paulo, Bahia e Fortaleza, tendo o Fluminense pela frente no próximo sábado.

Sem espaço e usado como “moeda de troca” pelo Atlético-MG, há quase dois anos Gabriel era elogiado pelo técnico Tite, que já comandava a seleção brasileira e o comparou com Marquinhos, do PSG, da França.

“O Gabriel, do Atlético Mineiro, é a versão Marquinhos jogando no futebol brasileiro”, disse, durante evento em que apresentou a lista de convocados para os amistosos contra Argentina e Austrália, que aconteceriam em junho daquele ano.

Ano passado, porém, o zagueiro viu Maidana assumir a titularidade no Galo e as chances de outrora se tornarem escassas. Ao chegar ao Botafogo, enalteceu a chance que o clube estava lhe dando.

“Foi um momento de aprendizado no ano passado. Maidana vivia um momento melhor. Agora o Botafogo me abriu as portas. Mas não vai ser nada fácil aqui. Tem Carli, Marcelo… Uma dor de cabeça saudável para Zé Ricardo (então técnico)”, afirmou, ainda em janeiro.

Nesta temporada, por outro lado, virou “figurinha carimbada” e se tornou o zagueiro com mais jogos, à frente de Marcelo Benevenuto, com 14, Joel Carli, com seis, Helerson, com três, e Kanu, que ainda aguarda a primeira oportunidade.

Fonte: UOL