Gatito Fernández chegou ao Botafogo no início de 2017 para assumir a titularidade do time que contava com um lesionado Jefferson. O paraguaio fez sua função com louvor e se manteve na posição mesmo após o retorno do ídolo. Apesar da camisa 1 ter dono, o jogador sempre soube que não poderia dar brechas. Mesmo com a aposentadoria do companheiro, a pressão seguirá forte em General Severiano.

Isso porque o Botafogo contratou ninguém menos que Diego Cavalieri para disputar posição com Gatito Fernández. O paraguaio segue como titular, mas sabe que tem um experiente goleiro na sua cola. O goleiro novamente não poderá baixar o ritmo no Alvinegro.

E a escolha por Cavalieri também passa por essa situação. Manter as peças motivadas e trabalhando em alto nível, sem ‘tirar o pé’, como se diz no futebol. Além disso, Gatito tem sido frequentemente convocado para a seleção paraguaia. Em ano de Copa América, o Botafogo preferiu fazer uma aposta segura.

Em vez de dar oportunidade aos jovens goleiros, como ocorreu em 2018 com Saulo, o Alvinegro achou melhor ter uma opção experiente. Diego Cavalieri, então sem time, se encaixou perfeitamente nas características que a diretoria buscava.

Após deixar o Crystal Palace, da Inglaterra, o goleiro queria voltar ao Brasil e também viu seus desejos se encaixarem com os do Botafogo. Voltou ao Rio de Janeiro, onde morou por anos, e em um clube de tradição que precisará de seus serviços em várias oportunidades.

Fonte: UOL