Campeão brasileiro sub-20 com o Botafogo, Eduardo Barroca foi uma aposta da diretoria para que o clube alcançasse bons resultados após um início ruim em 2019. Vem dando certo e externando a força que o Alvinegro tem conquistado nas categorias de base nos últimos anos. A Seleção sub-15 é um exemplo.

No último dia 5, o técnico Paulo Victor Gomes convocou a Seleção infantil para amistosos no Uruguai, visando o Sul-Americano da categoria – a ocorrer no fim deste ano. Da lista de 21 nomes, três  eram do Botafogo, em maioria: o volante Kauê e os atacantes Jhonnatha e Matheus Nascimento.

O trio, junto ao atacante Gilwagner (não convocado desta vez), é tido como muito promissor e faz com que a geração 2004 seja apontada como “especial”. O LANCE! ouviu Tiano Gomes, gerente geral da base alvinegra, para saber como o clube enxerga o talento dos meninos e se há alguma preparação psicológica específica com os selecionáveis.

– O Botafogo se orgulha muito em ter novamente representantes na Seleção sub-15. É o reconhecimento de um trabalho realizado através do nosso departamento de captação de jogadores, que trabalha incansavelmente na busca por esses meninos, e também de todos os nossos profissionais da base, que buscam potencializar ao máximo desenvolvimento dos nossos jovens.

– Há preparação psicológica para todos os nossos meninos. Realizamos um trabalho integrado entre todos os departamentos do clube em prol da formação integral deles. Mas, com os três principalmente, por estarem vivendo outras experiências nas convocações, a gente trabalha de uma maneira diferente dos demais. Procuramos apoiá-los, mantê-los com os pés no chão para que continuem o crescimento de maneira natural. Eles são estimulados a entenderem que todo esse reconhecimento está acontecendo por merecimento, pelo trabalho de qualidade que estão apresentando – completou.

Tiano Gomes optou por não rotular os meninos até 15 anos, que chegaram às semifinais da tradicional Copa Nike neste ano, como a “mais promissora” dentre toda a base. Porém avisou: é “especial”.

– É difícil a gente rotular como a geração mais promissora, mas posso falar que é uma geração especial. Que o Botafogo vê com bons olhos a projeção desses meninos, tanto dos três convocados quanto as dos demais atletas do ano de 2004 desse elenco. Continuaremos com o trabalho para que a gente consiga conduzi-los da melhor maneira e qualidade possível até a equipe principal. Esse é o nosso objetivo fim. Entregar cada vez mais jogadores e com mais qualidade para a equipe profissional.

CONSELHOS DOS PROFESSORES

Para o Campeonato Brasileiro sub-17, este trio foi promovido à categoria de cima e, até aqui, tem correspondido à altura da aposta, que, de acordo com o técnico Thiago Aprigio, tem “participação de todos os departamentos do clube”.

– As ascensões do Kauê, do Jhonnatha e do Matheus Nascimento para a categoria sub-17 têm ocorrido de modo gradativo. É um processo cuidadoso e que tem acontecido com a participação de todos os departamentos do clube. Não foi propriamente uma solicitação minha, pelo contrário, foram os meninos que deram o primeiro passo realizando competições sub-15 de altíssimo nível. Assim, o clube entendeu que eles poderiam ser submetidos a um processo com um pouco mais de exigência no Brasileiro Sub-17, claro que sempre com cautela e sendo utilizados no momento certo. De fato, tratam-se de jogadores com um alto nível técnico e uma capacidade cognitiva muito boa. O Botafogo vem tendo todo o cuidado para que todas as etapas aconteçam de forma mais natural possível – comentou Aprigio, ao L!.

É natural que os holofotes fiquem ainda mais acentuados com o trio atuando em uma categoria acima e vestindo a Amarelinha. Sobretudo por conta das dificuldades serem enormes no processo de transição até o protagonismo esperado nos profissionais, a nossa reportagem pediu para que Thiago Aprigio e Vinicius Nogueira, técnico do time sub-15, dessem conselhos aos três para mais este período no qual servirão à Seleção.

– O conselho que dou para os três é que continuem com o trabalho que realizam no dia a dia aqui no Botafogo, que reproduzam exatamente o que fez com que eles fossem oportunizados na Seleção. Espero que consigam aproveitar da melhor maneira possível cada momento com a camisa da Seleção Brasileira para que assim as coisas aconteçam de forma natural no processo de formação. Esses são os pilares que a gente conversa bastante com os nossos atletas: concentração e muita intensidade – falou Thiago.

Vinicius também destacou o aspecto social e o fato de a base do Botafogo orientar bem os seus jovens.

– A convocação corrobora com a ascensão e manutenção do processo das categorias de base do clube. O Botafogo sempre foi protagonista na Seleção Brasileira principal, e a base vem mantendo um nível de excelência nos últimos anos com boas participações em competições nacionais e consequentemente jogadores de destaque no cenário nacional. Penso que os atletas estão em um período de formação que requer cuidados com os primeiros holofotes que surgem no entorno deles, mas os mesmos estão bem orientados por todas as áreas do clube para que mantenham o foco em desempenho dentro de campo e fora dele visando a sua formação para a sociedade.

CURIOSIDADES QUANTO A SELEÇÕES DE BASE

Além da garotada do sub-15, o Botafogo também tem outros dois jogadores que estão com a Amarelinha frequentemente. João Vitor Fubá, que pertence à Seleção sub-16 (de transição), e Marquinhos, da sub-17. Hoje no profissional, a título de curiosidade, Igor Cássio também já esteve em Seleção de base.