A temporada de 2018 não foi de títulos para o Botafogo nas categorias de base, mas de acordo com o gerente geral, Tiano Gomes, o trabalho foi bem desenvolvido, principalmente devido a perda de vários profissionais. Além da saída recente de Felipe Lucena para o Goiás, Eduardo Freeland, gerente geral, e Phelipe Leal, técnico do sub-17, foram para o Flamengo. Eduardo Barroca, técnico do sub-20, seguiu para o Corinthians. Anthony Santoro foi desligado do Sub-20. Tiano Gomes fez um balanço do ano na base Alvinegra.

– Principalmente no Sub-20, a temporada foi de muitas mudanças de treinadores, coisa que não é normal no clube e nem nosso objetivo. Teve a saída do Barroca, em seguida o Anthony assumiu e apesar do bom trabalho que ele vinha realizando nós optamos em fazer a troca pelos resultados que foram alcançados. Fizemos a escada normal que foi subir o Felipe Lucena do Sub-17 para o Sub-20 e ele em um mês de categoria recebeu uma proposta e precisou sair. Fizemos a Copa Ipiranga-RS com um treinador interino e agora contratamos o Marcos Soares para 2019. Nas demais categorias tivemos bons desempenhos chegando em quase todas as finais ou semifinais dos Estaduais, nas competições nacionais fomos eliminados muitas vezes em cobranças de pênaltis. Em termos de resultados chegamos onde a gente gostaria. Tivemos também uma cobrança para que possamos formar atletas e conquistar títulos nas categorias de base com o objetivo de entregar jogadores vitoriosos aos profissionais – disse Tiano, que citou a dificuldade na reconstrução.

– O trabalho de reconstrução foi difícil porque o Botafogo não é acostumado a isso. Não só perdemos técnicos como também o gerente geral e preparadores de goleiros. Vários profissionais formados pelo clube estão sendo adquiridos por outros times. A gente sabe que está fazendo o trabalho certo. O momento é de organização financeira e estamos nos organizando para segurar os profissionais e melhorar ainda mais nosso desenvolvimento de trabalho.

Fonte: Super Rádio Tupi