A combatividade, que marcou os debates sobre o Campeonato Carioca, também deve dar o tom do primeiro jogo da decisão, neste domingo, entre Botafogo e Vasco, no Maracanã. Por ver a marcação e a intensidade do rival como suas maiores virtudes, o lateral alvinegro Gilberto disse que só resta ao Botafogo ser ainda mais forte para sair vencedor do confonto, a começar pelas disputas de bola.

— O Vasco tem sempre dois ou três jogadores na bola, temos que entrar mentalmente fortes para enfrentar um time que está sempre ganhando as dividas. Precisamos entrar mais fortes do que eles se quisermos ganhar o jogo — disse Gilberto, desedenhando da vantagem alvinegra de dois empates devido à vocação ofensiva do time de René Simões — Não teve um jogo que a gente não fez gol. Começar a decisão pensando nessa vantagem seria muito difícil.

Único jogador a dar entrevista após o treino realizado na manhã deste sábado, no Engenhão, o lateral apoiou a decisão da comissão técnica de realizar o último trabalho antes da decisão com portões fechados. O Vasco já vem adontando essa prática ao longo de toda a semana.

— Fechar é importante para que algumas coisas boas só apareçam na hora do jogo — disse, sobre a necessidade de preparar jogadas sem gastar as energias guardadas para o jogo. — No último dia, a gente não pode se desgastar muito. Mesmo assim dá para fazer no treino algumas coisas para a gente se lembrar no jogo.

SUOR E LÁGRIMAS

A julgar pela ênfase que Gilberto deu para a questão da intensidade e da atenção, o técnico René Simões tem trabalhado para que seus jogadores não se esqueçam que um campeão se faz com suor e lágrimas. Passada a tristeza pela punição a Jóbson, suspenso por quatro anos por ter se recusado a fazer um exame antidoping quando ainda jogava no futebol árabe, o sacrifício pessoal do atacante vem acompanhado da chance da redenção coletiva.

— Ele se mostrou tranquilo, está mais experiente e não ficou tão abatido quanto a gente imagivana. Falou que vai reverter a decisão e isso serviu para nos motivar. Vamos dar a vitória para ele — disse Gilberto, certo de que Jobson e o Botafogo precisam acreditar nas situações mesmo quando a bola e o destino lhe fugirem ao controle. — Temos que procurar jogar e ganhar todas as dividas.

Fonte: O Globo Online