Figura ainda desconhecida no meio do futebol, o novo presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Jr., percorreu diversos clubes desde que tomou posse, no último dia 10 de dezembro, para estreitar os contatos e sondar a receptividade a ideias que pretende colocar em prática nesta temporada. Segundo apurado pelo ESPN.com.br, uma delas promete acalorar as discussões: o fim dos pontos corridos e a volta dos mata-matas no Brasileiro.

Em contato com a reportagem, ele não nega a intenção de articular a mudança no sistema de disputa do campeonato.

Eleito com 6.398 mil votos (71,4%) no pleito tricolor para o biênio 2015/2016, Bolzan Jr. se mostra animado com o retorno que teve dos demais cartolas para evitar que o campeonato continue, segundo suas palavras, “chocho”.

“A resposta tem sido muito mais positiva do que negativa. O pessoal quer um negócio novo. O cenário atual é complicado demais. É briga apenas por vaguinha na Libertadores, na Sul-Americana, para não cair. Não tem nem de longe a mesma emoção do mata-mata”, afirma o presidente gremista.

A princípio, para encaminhar a ideia, seria necessário deixar de lado uma sensação de má vontade para com o clube existente entre seus correligionários e estabelecer uma linha de diálogo com a CBF. A pena sofrida pelo caso de racismo envolvendo o goleiro Aranha, do Santos, ainda não foi digerida por todos.

Romildo Bolzan Jr. descarta qualquer resquício do episódio internamente.

“Eu tenho exposto a questão dos playoffs e venho tendo receptividade de alguns para resgatá-los. Dá muito mais emoção, audiência e equilíbrio técnico no campeonato. Hoje, um clube dispara, fica ali no seu pedacinho na ponta e acabou tudo. O mata-mata estimula o torcedor e gera mais receita. É uma situação em que temos de nos organizar como clubes e definir interesses em comum. Seriam duas revisões: uma técnica e outra emocional. O campeonato atual é chocho”, explica o dirigente.

Um dos principais nomes por trás da campanha vencedora de Bolzan Jr. no clube, Fábio Koff foi presidente do Clube dos 13.

O cartola não está sozinho: o presidente da federação baiana, Ednaldo Rodrigues, também sugeriu recentemente a volta dos mata-matas em projeto apresentado à CBF.

O formato atual foi lançado em 2003 é o mais duradouro da história dos Brasileiros. No período, o Cruzeiro foi o único campeão de fora do eixo Rio-São Paulo, com três títulos (2003, 2013 e 2014). Na última edição, o Grêmio chegou perto da classificação para a Libertadores, mas derrapou na reta final e deixou escapar a vaga.

Fonte: ESPN.com.br