Greve de operários prejudica adequação do Engenhão para as Olimpíadas de 2016

Compartilhe:

A greve de operários comandada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Pesada (Sitraicp) paralisou completamente pelo menos uma das obras realizadas no Rio para as Olimpíadas: a adequação do Engenhão, orçada em R$ 52,3 milhões. A informação foi confirmada pela diretoria do Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon), que representa as empresas da categoria. Obras como a da Linha 4 do metrô e a do aeroporto do Galeão também foram parcialmente afetadas.

— No global, calculamos que 70% dos trabalhadores não aderiram a greve, mas a obra do Engenhão parou 100% — disse a diretora Renilda Cavalcanti.

Já Nílson Costa, presidente do Sitraicp, dá outro número. Segundo ele, 70% dos operários pararam. O sindicato que representa os trabalhadores pede um aumento de 8,5% e R$ 350 mensais de cesta básica. Já o sindicato patronal acena com aumento de 7,3% e a manutenção da cesta básica nos atuais R$ 310. Nilson Costa,diz que as empresas alegam que o país passa por dificuldades econômicas e que por isso o aumento não pode ser maior.

— Elas dizem que o país está com dificuldades. Acho, não tenho certeza, que a (Operação) Lava-Jato pode ter afetado — afirma Costa.

Renilda descarta a influência da operação comandada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público no endurecimento das negociações.

— O problema é a estagnação do setor. Não há novas obras sendo licitadas.

Grevistas estiveram no canteiro de obras da duplicação do Elevado do Joá, em São Conrado, para convocar os colegas a participarem da greve. Uma faixa anunciando a paralisação chegou a ser colocada. Mas, segundo funcionários ouvidos no início da tarde, a adesão não foi alta. Há uma audiência de conciliação prevista para sexta-feira na Justiça, mas o sindicato que representa as empresas está tentando antecipar o encontro.



Fonte: O Globo Online
Comentários