Hélio de la Peña: ‘Eles jogam por nós. Só digo isso: tamos juntos, jogadores’

Compartilhe:

Onde está a lógica do futebol? O Cruzeiro, líder inquestionável do Brasileirão com apenas duas derrotas em 12 jogos vem ao Rio enfrentar o Botafogo que somava 3 vitórias no campeonato. O clube carioca chafurda hoje na maior crise de sua história.O que o torcedor alvinegro podia esperar? Uma reedição de um Alemanha 7 x 1 Brasil, sendo o Cruzeiro uma Alemanha sabor pão de queijo. Pra surpresa geral, temos um empate que, nessas circunstâncias, deveria valer 3 pontos pra nós.

Se dermos uma googada na palavra “Botafogo”, recebemos de volta uma série de artigos e colunas sobre salários atrasados, escândalos de má conduta da diretoria, jogadores reclamando da forma como têm sido tratados. Nenhuma boa notícia. As dívidas se multiplicam, as receitas são retidas, a perspectiva não melhora. O botafoguense está habituado a sofrer pelo seu clube, mas dessa vez estamos indo longe demais. Os jogadores não jogaram a toalha. Estão lutando em campo com suas próprias forças, contra todas as adversidades. Quem continuaria trabalhando se o patrão deixasse de pagar seus salários por 3 meses? E os caras estão! Obrigado, time!

Tenho acompanhado a movimentação de grupos de oposição à atual diretoria. Boas propostas têm sido apresentadas. Fala-se em profissionalização da gestão, mudanças de regras e estatutos, contratação de jogadores e executivos, reestruturação das bases e outros bichos – os bichos, aliás, seriam pagos em dia!

Como fazer tudo isso sem dinheiro? Como acabar com a gestão amadora sem ter dinheiro pra remunerar os profissionais? Como vão sobreviver os membros de uma diretoria se não forem milionários dispostos a torrar a fortuna da família? Não faço a menor ideia. Espero ouvir respostas pra essas questões antes das próximas eleições.

Sempre dei força para o clube, independente de quem estava no poder. Mas fico profundamente decepcionado quando leio as denúncias que envolvem o presidente Maurício Assumpção. Comemorei a chegada do Seedorf, mas o projeto não se sustentou e ele saiu sem ter nos dado um grande título. Agora estamos vivendo um sufoco sem tamanho.

Torcedor é um bicho maluco e irracional. Continua torcendo, mesmo com as mais ínfimas chances de vitória. E sonhando com um dia em que tudo vai ser divino e maravilhoso. Ainda que ninguém consiga mostrar como.

Só podemos dizer uma coisa: tamos juntos, jogadores!

Fonte: Blog do Hélio de la Peña

Comentários