​Há duas formas de enxergar o momento de Helton Leite no Botafogo. Aos 26 anos, o goleiro tem a chance de trabalhar diariamente com Jefferson, ídolo e com histórico de atuações com a amarelinha, e Gatito, frequentemente convocado para o Paraguai. Por outro lado, a disputa por oportunidades acaba sendo muito maior. Desta forma, o reserva alvinegro tenta equilibrar as duas situações: aproveitar a experiência de treinar com duas referências e não se acomodar em ser a terceira opção do técnico Jair Ventura.

Na próxima quarta-feira (11), a concorrência de Helton Leite será menor. Com Gatito à disposição da seleção paraguaia nas Eliminatórias, ele será o reserva de Jefferson, que voltará a ser titular. Em entrevista exclusiva ao Esporte Interativo, Helton falou sobre a expectativa de ser relacionado, o que já não acontece desde o dia 06 de agosto.

“A situação é boa para todo mundo. O Gatito está na Seleção. Estamos torcendo para ele, vem em uma fase muito boa e isso só valoriza ele. A gente fica muito feliz por ele. Mas hoje já comentei com o Jefferson que quarta-feira é a gente. Estar indo para os jogos é tudo aquilo que eu tenho esperado. A expectativa é boa, muita concentração. Se precisar, estou pronto e disponível”, comemorou.

Nesta temporada, Helton Leite atuou seis e foi relacionado outras 27 vezes. Apesar das poucas participações efetivas, o jogador fez um balanço positivo e exaltou a experiência que tem sido trabalhar com o grupo de goleiros e preparadores.

“O balanço é positivo. Não foram tantos jogos, acho que seis até agora. Mas consegui fazer um bom trabalho de maneira geral. Ter vivido a experiência de jogar Libertadores e ter ajudado a passar pelo Olímpia foi muito bacana. A experiência tem sido muito interessante. Muito bom trabalhar com o Jefferson e o Gaitito. Já trabalho com o Jefferson há quatro anos e só tenho a ganhar, além do que eu já aprendi. São dois goleiros de nível de Seleção, com experiência e bagagem muito grande. A conversa e o relacionamento em campo facilita o aprendizado. É muito bom. O Saulo também é muito bom, tem um futuro longo no Botafogo. O principal é o nosso relacionamento com o Flávio Tênius, o Paulo Rui e o Jorcey Anisio, nossos preparadores. É um grupo de trabalho muito bom. Por mais que só jogue um, todos estão ganhando. Dá para ver que o trabalho está no caminho certo com o Gatito. E sempre que outro entra faz bom trabalho”, completou.

Veja outros temas abordados na entrevista:

Momento de Gatito

O Gatito fez uma temporada muito bom no ano passado no Figueirense. Já tinha ido muito bem no Vitória e no Cerro. Então é um cara que já vinha em alta e esse ano foi de grandes proporções. Ele fez uma grande Copa do Brasil e Libertadores, que deram uma credencial de se firmar no Botafogo.

Preparadores de goleiros

O Flávio tem sido muito importante para todos. Não só ele, mas também o Jorcey e o Rui. A gente tem um ambiente de confiança mutua e respeito. Todos desejam o melhor para cada um e inevitavelmente isso resulta em bons frutos ao clube. São profissionais de ótima qualidade. O Flávio tem um currículo sensacional, com vários títulos e ótimos trabalhos. Era ele que estava em 2009 quando o Jefferson chegou. A gente está muito bem assessorado.

Futuro

Insatisfação jamais. O Botafogo é um clube que abriu as portas para mim. Foi o primeiro grande clube que joguei profissionalmente, já estou há quatro anos aqui. Tenho muito carinho. Vivi momentos bacanas aqui. Joguei a Série A e tive a oportunidade de jogar a Libertadores, que era um objetivo na carreira. Sou muito grato e tenho mais um ano de contrato. Não sei o que vai acontecer no futuro. Sei que o Botafogo está muito bem de goleiro e talvez o certo nesse momento é que eu não estou acomodado. Não posso me acomodar nessa situação. Estou trabalhando para encerrar bem o ano. No ano que vem vamos ver o que vai acontecer, ver situações, que seja bom para todos. Ainda vou ter um ano de contrato e muitas coisas vão acontecer.

Sonho

Eu sempre gostei desde pequeno do futebol europeu, futebol do exterior. Vai que um dia eu tenha a oportunidade de atuar lá? Mas como falei, tem muitas coisas para acontecer aqui. O principal é não estar acomodado com a situação. Tem que estar preparado. No começo do ano que vem ou no decorrer vamos ver o que vai acontecer. Tenho que continuar trabalhando. O quanto melhor eu estiver preparado, melhor vai ser para mim e para o Botafogo.

Sondagens

Quem cuida disso é meu empresário. Então eu não me envolvo diretamente. Sempre que tem uma janela tem alguma coisa. Às vezes tem um contato, mas nunca nada que tenha avançado. Acredito que tudo acontece no momento certo. Isso faz parte, existem várias possibilidades, mas para se concretizar depende de vários fatores.

Fonte: Esporte Interativo