Quando o Botafogo entrar em campo hoje para o confronto com o Nacional, o túnel do tempo vai conduzir os alvinegros mais fanáticos à Libertadores de 1973, quando o Glorioso eliminou os adversários uruguaios dessa noite: 3 a 2 no Maracanã e 2 a 1 no Centenário. Nas duas partidas, o infalível Jairzinho deixou sua marca. O curioso é que o ex-craque não tem muito a contar daquelas partidas. Prefere ver uma nova história ser escrita pelo filho Jair Ventura.

– Tenho boa memória, mas não me lembro desses gols. Acabamos eliminados mais para a frente (pelo Colo-Colo, nas semifinais). Agora, estou confiante. O Botafogo tem se comportado bem nessa Libertadores – afirma Jairzinho.

O pai do técnico Jair Ventura, apesar de otimista, demonstra preocupação com a falta de um bom banco de reservas. Na sua avaliação, essa é a causa da sequência de três derrotas consecutivas do Botafogo.

– Nosso problema é a falta de peças de reposição. O Jair não me passa essas dificuldades, mas eu percebo que às vezes ele quer substituir alguém, mas não encontra peças à altura. O time precisa de um volante, um meia e um atacante. É difícil falar, porque sou o pai dele, mas escuto gente comentando por aí que ele está tirando leite de pedra. Falta alguém para botar a bola onde o goleiro não consegue chegar – desabafa o ex-craque.

Fonte: Blog da Marluci Martins - Extra Online