De desacreditado a herói com a camisa do Botafogo. Depois de uma temporada para esquecer em 2014 quando foi preterido pelo técnico Vagner Mancini já que havia pedido também para ser negociado, Renan deu a volta por cima. O goleiro se garantiu não só com as mãos como também com os pés na decisão do Campeonato Carioca diante do Vasco nos dois próximos domingos após bater o Fluminense.

Renan, que curte a segunda-feira de folga após a classificação nos pênaltis, conversou com a reportagem da Rádio Globo e garantiu que a ficha só caiu depois, ao saber o tamanho da importância do gol marcado nas penalidades.

“Realmente não esperava ser dessa forma. Quando defendi o segundo pênalti, pensei que se fizéssemos todos garantiríamos a classificação. Mas não tinha que ser assim. Não foi dessa forma. Eu tinha que bater e Graças a Deus bati bem. Fui feliz na cobrança e estou contente pela forma que foi”, disse ao Globo Esportivo.

Renan recordou o ano passado quando acabou perdendo espaço para Helton Leite e Andrey mesmo sendo pelos últimos anos o substituto imediato de Jefferson que vinha sendo convocado para defender a Seleção Brasileira.

“Aconteceram algumas coisas complicadas. Realmente tiveram algumas propostas, mas não agradaram. Permaneci no Botafogo pelo projeto da nova diretoria e pela confiança dos dirigentes e da comissão técnica encabeçada pelo René em mim. Estou vivendo um bom momento e ajudando. Não penso em sair do Botafogo. Penso em ajudar o clube até mesmo quando o Jefferson for convocado. Será um prêmio muito grande voltar com o Botafogo para a primeira divisão.”

Renan considera que a chegada de René Simões foi fundamental para virar a página no clube em busca de espaço novamente.

“Considero sim. Ele é um excelente profissional e pessoa. Está nos ajudando muito no dia a dia. O elenco gosta muito dele e do trabalho que vem sendo feito. Esperamos ajudar em tudo que vem sendo feito até aqui.”

Apesar de concorrentes, Renan credita a boa fase aos conselhos do amigo e companheiro de posição Jefferson, que se recupera de uma artroscopia no joelho.

“O Jefferson é um amigão que eu tenho. Sempre me ajuda. Conversamos bastante. Sei da projeção dele no clube. É o capitão e ídolo da torcida. Existe um respeito muito grande por ele porque tem uma importância muito grande. Nesse período que está fora por lesão, ele vem me ajudando muito… Estou tentando fazer o melhor e manter o nível de atuação que o Jefferson vinha tendo.”

Desde 2008 entre os profissionais, o goleiro afirma que não precisa provar mais nada pra torcida do Botafogo.

“Acredito que a torcida do Botafogo me conhece. Sinto isso no dia-a-dia e nos últimos jogos. Há carinho, respeito e confiança. Nesse jogo com o Fluminense gritaram meu nome. Agradeço a torcida e espero continuar dando alegria a eles.”

Renan garantiu que acompanhou a outra decisão entre Flamengo e Vasco de casa e espera por uma nova batalha na decisão tal qual a que aconteceu em 1997.

“Acompanhei a partida e Botafogo e Vasco será um jogo muito difícil e duro. Esperamos fazer um confronto leal e com respeito, mas o Botafogo tem chance de sair campeão dessa decisão. Respeitamos o time de tradição do Vasco, mas somos grandes também e podemos chegar lá. Eles são perigosos nas laterais e no ataque com o Gilberto e o Dagoberto. Precisamos anular esses pontos do Vasco. Teremos que ter concentração e atenção contra eles”, finalizou.

Renan segue como titular na meta alvinegra apesar do otimismo de alguns alvinegros de contar com Jefferson ao menos no segundo jogo da final. O departamento médico do Botafogo não trabalha com previsão de tempo para a volta do camisa 1 mesmo com a recuperação avançada do atleta.

Fonte: Site da Rádio Globo