Um dos vídeos que circulou em diversas redes sociais após o clássico entre Botafogo e Flamengo, no Nilton Santos, na noite de ontem (7), pelo Campeonato Brasileiro, mostra um grupo de alvinegros agredindo um rapaz que estava no chão, ainda nas dependências do estádio. Em publicações, foi apontado que ele seria um “infiltrado”, ou seja, um rubro-negro que estava assistindo ao jogo no setor destinado aos botafoguenses. A vítima, porém, era Sérgio Fernando Pacheco Cavalcante, de 38 anos, que é torcedor do Botafogo.

Nas imagens, pode-se ver Sérgio sem camisa e sendo cercado por alguns seguranças, que buscam uma maneira de conter a violência contra ele. Ele deixou o local arrastado e, após passar a noite hospitalizado, está em casa.

O ataque aconteceu ao fim da partida, pouco depois do gol do Flamengo. Segundo Ana Paula, esposa de Sérgio, ele sempre vai aos jogos do Botafogo e, inclusive, ele estava vestindo o uniforme alvinegro quando passou a ser alvo de socos e chutes de outros torcedores do clube de General Severiano.

“Sempre vamos aos jogos. Quinta-feira passada, estava eu, ele e meu filho de 12 anos no jogo contra o Cruzeiro. Ele é botafoguense desde pequeno, sempre vai ao estádio. Não tem nada de flamenguista”, afirma Ana, que conta o que aconteceu no clássico:

“Quando o Flamengo fez o gol, ele saiu p… em direção ao banheiro e, de lá, para ir embora. Ele estava com a camisa do Botafogo, branca e preta listrada. Roubaram a camisa, cordão e o celular dele. Agrediram ele quase até a morte”.

Sérgio, que é taxista, está em casa, mas sem poder trabalhar após ter sido vítima do espancamento:

“Ele está sem dente, todo machucado, sem condição de trabalhar. Ele é autônomo, taxista, pai de família. Agora, está em casa, todo machucado”.

O alvinegro, logo que chegou ao estádio para assistir ao clássico, enviou uma foto à esposa, com a camisa do clube de coração e um sorriso no rosto.

Diversos casos de agressão foram relatados, e muitos filmados, dentro e fora do Nilton Santos na noite de ontem (7).

Em entrevista ao UOL Esporte, pouco tempo após o apito final, o tenente-coronel do Batalhão Especializado de Policiamento em Estádios (Bepe), o comandante Silvio Luiz, apontou que 70 torcedores foram retirados do estádio, 15 acabaram detidos no bairro de Jacarepaguá e um está gravemente ferido após ser linchado por este grupo.