O alerta está, oficialmente, ligado. Com seis pontos conquistados no segundo turno, o Botafogo entrou na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro após ter sido derrotado para o Flamengo na última quinta-feira, pela 31ª rodada. Alberto Valentim conheceu a quinta derrota desde o retorno ao clube de General Severiano, a quarta seguida.

Com sete rodadas restantes, o Botafogo ocupa uma das quatro últimas vagas da classificação pela primeira vez. Após um primeiro turno acima da média, era improvável pensar que o Alvinegro brigaria contra a segunda divisão, mas o aproveitamento de 16,7% no segundo tempo – melhor apenas que o do Avaí, com 11,7% – colocou o Glorioso em uma posição desagradável.

Praticamente todos os concorrentes contra a degola pontuaram na rodada. Fluminense e Ceará venceram, enquanto o Cruzeiro empatou fora de casa. Só o CSA saiu derrotado – para o Grêmio, em Porto Alegre. Diante de uma tabela apertada, não há tempo para insistir nos erros. O Botafogo precisa achar uma maneira de retomar as vitórias.

Diante do Flamengo, a equipe teve uma clara evolução em um dos piores pontos de desempenho desde o retorno de Alberto Valentim. Mais intensa sem a bola, não deu campo para o Rubro-Negro fazer as tradicionais triangulações e passes em profundidade pelos lados do campo, “obrigando” a equipe de Jorge Jesus a cruzar a bola na direção da área na maioria das vezes. Taticamente, houve uma melhora considerável.

O Botafogo não fez questão de ter a bola. As melhores chances do Alvinegro, que teve bons minutos no começo do primeiro tempo, nasceram de transições em velocidade – na principal delas, Luiz Fernando parou em Pablo Marí, que cortou praticamente em cima da linha. O Flamengo, com 71% de posse de bola, teve 18 finalizações. Os números podem traduzir um conceito de bombardeio, mas apenas três destas acertam a direção do gol defendido por Gatito – um acerto a cada seis tentativas.

A estratégia do Botafogo ruiu quando Luiz Fernando foi expulso aos 10 minutos do segundo tempo. A partida virou um ataque contra defesa até o apito final e, aos 43, Lincoln abriu o placar, premiando o time que teve mais volume de jogo no ataque  mas que não necessariamente atacou melhor. Vale ressaltar que, mesmo com um a menos, o Rubro-Negro teve dificuldade de criar chances.

– Fica mais difícil com um a menos, sem culpar o Luiz Fernando. Ele que perde a bola, tenta fazer a recomposição e fez a falta. Ficou mais difícil, estávamos bem no jogo, sem deixar o Flamengo criar chances claras de gol. Ficamos muito tempo com um a menos. Mesmo assim o Fla não teve chances claras de gol. Mas perdemos o poder ofensivo, com certeza – analisou Alberto Valentim.

Com um a menos, o Botafogo limitou-se a defender. As cinco finalizações do Glorioso ocorreram no primeiro tempo. Na etapa complementar, Igor Cássio jogou praticamente sozinho contra Rodrigo Caio e Pablo Marí. Apesar da derrota, o Alvinegro mostrou evolução em certos aspectos. Os resultados, por outro lado, ainda estão longe de serem ideais e o time ocupa a zona de rebaixamento pela primeira vez no Brasileirão.

Fonte: Terra