Contrariando as publicações da última semana, o laudo do IML aponta que Diego Souza, torcedor botafoguense que morreu durante a confusão no entorno do Engenhão, não foi baleado. Inicialmente acreditava-se que a causa da morte do carioca de 28 anos teria sido um tiroteio entre as torcidas, porém, a Delegacia de Homicídios que investiga o ocorrido chegou a uma nova versão, conforme reportado pelo Esporte Espetacular.

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) aponta perfurações na região abdominal do torcedor. Segundo o documento, Diego morreu de hemorragia interna e externa. O delegado Fábio Cardoso, responsável pelas investigações, afirmou que o objeto perfurante seria um espeto de churrasco.

Diego Souza foi socorrido e levado ao Hospital Salgado Filho, onde morreu. Sem resistir aos ferimentos, o torcedor entrou para a estatística do já velho problema de violência nos estádios. Apesar da família negar qualquer envolvimento de Diego com torcidas organizadas, há imagens em que ele aparece com uniforme de uma das agremiações do Botafogo.

A briga entre as organizadas de Flamengo e Botafogo aconteceram por conta do contingente policial abaixo do necessário para garantir a segurança em um clássico. Como o reforço de segurança chegou apenas posteriormente, os criminosos tiveram liberdade suficiente para protagonizarem uma verdadeira guerra do lado de fora do estádio Nilton Santos.

Por conta da grande confusão do último domingo, o Ministério Público do Rio de Janeiro entrou com um pedido de torcida única nos clássicos cariocas. O Juizado do Torcedor e Grandes Eventos aceitou a requisição.

Fonte: Gazeta Esportiva