O piloto Carlos Alberto Malucelli Klas foi um dos grandes personagens do Campeonato Brasileiro de 1995, conquistado pelo Botafogo no dia 17 de dezembro daquele ano.

Embora não tenha entrado em campo, garantiu a festa da torcida botafoguense que esperava pela chegada dos jogadores, no Rio de Janeiro.


Klas foi o piloto do voo fretado pelo clube e teve que demonstrar sangue frio para pousar o Fokker 100 da TAM na pista do Aeroporto Santos Dumont, tomada por centenas de fanáticos botafoguenses.

O voo já não havia sido nada tradicional, a começar pela superlotação.

Havia mais passageiros do que cadeiras, graças à benevolência do presidente Carlos Augusto Montenegro, que foi aceitando “caronas” em profusão.

Além do mais, ninguém ficou parado dentro da aeronave.

Teve batucada e até cerimônia de entrega de medalhas aos campeões.

Segundo o piloto, porém, não houve qualquer risco:

“Havia 120 pessoas a bordo e a lotação era de 110. O jeito foi colocar as pessoas onde dava. Uns usaram os assentos dos tripulantes, crianças vieram no colo dos pais. Mas estávamos longe do peso limite, não havia turbulência no trajeto e era um voo curto.”

O comandante Klas estava no clima da festa.

Apesar de paranaense e torcedor do Coritiba, o amor pela Estrela Solitária nascera cedo.

Carlos Alberto é o maior
Desde pequeno passou a torcer também pelo Botafogo, influenciado pelo pai, seu Artur Orlando, que se encantara com os grandes times alvinegros da década de 1960.

Na hora do pouso, momentos de tensão, mas tudo deu certo, mesmo com torcedores subindo em cima da asa do avião.

Até hoje Klas guarda a camisa que ganhou da delegação naquela noite.

Esta história e muitas outras relacionadas ao título botafoguense estão no livro “95 – A TUA ESTRELA BRILHA”, dos jornalistas Claudio Portella e Rafael Casé, que vai ser lançado na próxima quinta-feira, dia 17, às sete da noite, na sede de General Severiano, com direito à presença de Túlio, Donizete e cia. Além do piloto, é claro.”

Fonte: Blog do Juca Kfouri