Jair explica comemoração com mão na orelha e defende Tanque: ‘Não adianta vaiar’

Compartilhe:

​Jair Ventura é daqueles técnicos que não se poupam na hora de comemorar um gol. Na vitória sobre a Chapecoense, por 2 a 1, nesta quarta-feira (11), não foi diferente. O motivo? Além da importância dos três pontos, o herói foi Vinícius Tanque, jogador que não goza de prestígio com os torcedores, mas que segue com a moral em dia com o treinador.

Após o gol da vitória, Jair Ventura se virou para a torcida do Botafogo com as mãos nos ouvidos em forma de desabafo. Na entrevista coletiva após o jogo, o treinador explicou que ouviu vaias ao chamar Vinícius Tanque para entrar na partida, o que deixou o técnico insatisfeito. Jair pediu apoio para as últimas 11 rodadas do Brasileirão.

“Quando chamei o Vinícius Tanque começaram a vaiar. Não adianta vaiar ele. Se o Brenner machucar, nós vamos com o Tanque. O nosso outro atacante era o Igor que sofreu lesão no cruzado”, disse, antes de completar.

“Não adianta vaiar o Vinícius Tanque e o Brenner, são eles que vão jogar até o final do ano. A janela está fechada. Faltam 11 jogos e é com eles que vamos jogar. Vamos dar força a eles. Durante a semana ele foi questionado pela renovação e os três gols que tem com a camisa do Botafogo, mas não falaram da minutagem dele em campo. Eu vou estar sempre defendendo meus atletas, tem que dar apoio, não adiantar vaiar antes dele entrar”, completou.

Como Jair citou, Vinícius Tanque, de 22 anos, renovou com o Botafogo até 2020. O jogador disputou 10 partidas nesta temporada e essa foi a primeira após a ampliação do vínculo. O atleta agora conta 251 minutos disputados em 2017. Segundo Jair Ventura, o centroavante recebeu propostas para deixar o clube, mas todas recusadas.

“Ele teve mais de três propostas para sair por empréstimo e eu disse não o tempo todo. As pessoas diziam para emprestar e eu disse não. Eu reclamo tanto que a gente tem carência de atacante, mas não sabe. Faz parte de um planejamento, profissionalismo. Eu investi na situação de mantê-lo. De repente muitas pessoas não têm uma certa simpatia pelo atleta, mas não adianta vaiar que é ele que vai jogar. Se o Brenner machucar ele vai ser titular. Não está garantido que o Brenner vai ser titular”, encerrou.

Fonte: Esporte Interativo

Comentários