O maior mistério para o duelo entre Botafogo e Grêmio nesta quarta-feira, pela Libertadores, é o atacante Luan. Ele sentiu incômodo na coxa direita e é dúvida – alguns jornais gaúchos inclusive o garantiram fora do jogo. Para o técnico Jair Ventura, a presença ou não de Luan não muda a forma de o Botafogo se preparar.

— Ele é um grande jogador, mas nós treinamos da mesma maneira, porque o esquema de jogo é o mesmo. Ele é um grande jogador, mas eles têm substitutos, como Fernandinho e outros — afirmou.

Pelo lado Alvinegro, o técnico confirmou que todos os jogadores que eram dúvida serão relacionados: Joel Carli, Rodrigo Lindoso, João Paulo e Marcos Vinícius. Não disse, no entanto, se seriam titulares. O único atleta garantido no time foi o lateral-esquerdo Gilson, substituindo Victor Luis, suspenso:

— Não tem surpresa nessa vaga.

Uma má notícia é a respeito de Leandrinho. O jogador, que saiu machucado da partida contra o Flamengo, domingo, tem uma lesão grave no ligamento cruzado do joelho direito e ficará fora de ação por entre cinco e seis meses.

— Perdemos um grande jogador. Só volta ano que vem, ele vinha crescendo bastante. Infelizmente é mais uma perda para o Botafogo e para o jogador. Uma pessoa com futuro promissor, que vai ter a carreira parada de cinco a seis meses. Vai passar por cirurgia.

Veja outros trechos da entrevista coletiva:

TER TODOS OS JOGADORES À DISPOSIÇÃO

É importante. Mais um jogo decisivo entre outros que já tivemos. Tivemos essa pausa que acabou sendo benéfica, mas seria melhor ainda se tivéssemos todos liberados nessa época de paralisação. De qualquer forma, deu para trabalhar com os outros. Os quatro estão relacionados, mas vocês sabem que vou fazer uma surpresa sobre quem inicia, só dessa vez (risos).

QUANTAS VEZES JÁ OUVIU QUE SERIA O ‘JOGO DO ANO’?

Sempre isso, que bom. Espero ouvir mais. Sinal de que as coisas estão caminhando. Ficamos fora da final da Copa do Brasil infelizmente, mas agora estamos vivos na Libertadores, enfrentaremos outra grande equipe. Mas também temos nossas armas, jogar em casa, com a torcida. Sempre conseguimos vantagem em casa nos mata-matas exceto o com o Flamengo. O próximo jogo é sempre o jogo do ano, quero sempre assim, fazer o melhor no presente para ter uma preparação melhor.

DIFERENÇA ENTRE TREINAR NO CAMPO ANEXO E PRINCIPAL

Todos os jogos que fazemos em casa, fazemos treino no campo principal na véspera, desde que não tenha havido uma sequência grande de jogos lá. É importante a atmosfera, jogadores pegarem referências de placa, arquibancada. Facilita, vivenciar a grama, esse tipo de coisa é importante para uma grande decisão.

TRANQUILIDADE, ESTABILIDADE EMOCIONAL

É o nosso clima, é assim, quando perdemos não nos achamos os piores do mundo e nem nos achamos os melhores quando ganhamos. É equilíbrio, essa é a palavra. Na grande maioria, os jogadores são muito equilibrados. Uma situação ruim pode acabar com um trabalho. Eu perguntei isso após o jogo contra o Flamengo, se o ano estava acabado, e eles falaram que não. Eu vi que isso mudaria. A situação de estar com a cabeça boa, ser o mesmo, é muito importante.

ATMOSFERA DO GRÊMIO, COM SITUAÇÃO DE LUAN E DERROTAS RECENTES, É PIOR?

É um grande jogo, estádio lotado não tem favorito. A ausência do Luan ou dos nossos jogadores se equivalem – todos perdem, nós, eles, o espetáculo. Não há favoritismo pela atmosfera. Nós se tivéssemos perdido o clássico… Os dois times entram iguais, é outra competição, um grande jogo que deve ser decidido em detalhes.

BOTAFOGO VAI JOGAR NO CONTRA ATAQUE?

Nós nunca fomos só um time de contra-ataque, porque se jogássemos só no contra-ataque e esperando o adversário na frente de 40 mil pessoas, não teríamos passado do Colo Colo, do Olimpia. Temos estratégia, momentos de jogar com a bola, transição, e os jogadores sabem disso. E sabemos da força do Grêmio, um time leve, que tem uma transição muito boa também. A tendência é sabermos a hora de ficar com a bola.

MAIS FÁCIL JOGAR CONTRA TIME BRASILEIRO?

Tão difícil quanto. A mesma dificuldade, a qualidade do Grêmio é muito grande. O que mais me preocupa é leveza, movimentação, passes rápidos, é difícil encaixar a marcação contra eles. Não tem vantagem nenhuma jogar contra equipes estrangeiras ou do Brasil. A dificuldade é a mesma.

O QUE PERDE SEM VICTOR LUIS

Entrosamento na linha de quatro, ele é muito forte na marcação, bom ofensivamente. O Victor é muito próximo do Gilson, Gilson é muito bom também, motivado, tem um terço final muito forte. Isso não me preocupa não.

GATITO JOGA?

Pode ser (risos).

TORCIDA

Eu vejo mais uma situação econômica do país. É difícil o torcedor ir em todos os jogos, mas a Libertadores, por ser uma competição em que não chegamos há muito tempo, é diferente. Eles têm sido nosso 12º jogador de uma forma linda, fantástica, que nos arrepia. Com certeza farão uma grande festa, pode ter mais um mosaico, realmente eles vêm fazendo um grande espetáculo e vêm sendo nosso 12º jogador.

LEO VALENCIA, TIME COM ELE E SEM

Primeiro, quando falamos em quatro volantes… O Lindoso era camisa 10 do Madureira e joga aqui de 1º volante. O Bruno é um dos artilheiros do time. João Paulo era camisa 10 na base do Inter. Então são meias com papel de volante. É como quando eu coloco o Emerson como lateral, não são três zagueiros, é um zagueiro adaptado na posição. Pode acontecer de o Leo iniciar, ganhamos um pouco mais de mobilidade, e pode ser outro meia ou volante, como você preferir, um pouco mais adiantado. A cabeça de treinador é um inferno (risos).

CONFIANÇA

Acho que é importante em tudo na vida, todos os aspectos. Estar confiante é muito bom, até na profissão de vocês. Quando se está num dia bom tudo funciona melhor. A cabeça é o que manda na gente. Estamos muito felizes para que as coisas possam acontecer da mesma maneira. Mas vivemos disso, eu vivo de resultado, procuramos sempre fazer o nosso melhor. Vamos bastante leves para esse jogo.

VAI LEVAR EM CONTA A LESÃO DOS QUATRO?

Pode ser. Se eu falar, eu dou a resposta. Isso está avaliado, mas não vou divulgar (risos). Vamos falar na coletiva pós-jogo.

VAGA CONTRA O GRÊMIO ANO PASSADO, IMAGINAVA REENCONTRAR AGORA?

Difícil, né? Porque tinha pré-Libertadores. Aquele momento foi muito especial, principalmente para mim, assumir o time em 17º e terminar em 5º é fantástico. Mas longe de imaginar que estaríamos aqui. Com todas as mudanças de elenco, chegadas, saídas. Mas é maravilhoso estarmos aqui. Só que agora é outro momento, outra competição.

Fonte: Extra Online