Peça importante do Vasco de Zé Ricardo em 2017, Jean foi o personagem da entrevista coletiva do Botafogo nesta quinta-feira. Na sala de imprensa do Nilton Santos, logo após a atividade, o volante respondeu a respeito do novo comandante do Glorioso e seu velho conhecido, principalmente.

– (Zé Ricardo) Foi o nosso terceiro técnico no ano passado (no Vasco). Pegou o clube numa situação mais ou menos parecida com a nossa. Principal aspecto é a maneira de como ele sabe gerir grupo e deixar o grupo à vontade – contou.

Aos 23 anos, Jean ainda não teve uma sequência como titular no Glorioso. Quando questionado sobre mais chances no Botafogo, no qual soma apenas seis partidas, ou 301 minutos. o extrovertido meio-campista brincou a respeito da afinidade que ele e Zé têm entre si.

– Já conversei com ele, agora sou camisa 10, capitão… (risos) Falei para ele que pode contar comigo. Ele dá oportunidade para todos. Dudu passa a ser olhado diferente, Marcelo, o Bochecha… Ele começa a introduzir a todos no grupo – comentou, completando:

– Zé veio de uma situação de pegar um Vasco da maneira que estava e equilibrou as coisas, levou para a Libertadores. Isso amadurece um profissional. Ele chega aqui com um peso a mais no nome dele. “Cara, esse cara sabe o que está fazendo”. Além do mais, é um cara respeitoso e que sabe o momento de cobrar. Perfil de treinador intenso, por mais que tenha o jeitinho tranquilão dele. Quem sabe podemos dar uma arrancada igual aquela do ano passado (pelo Vasco).

REENCONTRO COM O PARANÁ

Jean passou por dois clubes nas divisões de base. Além do Estudiantes, da Argentina, teve a experiência de atuar no Paraná, clube no qual recebeu as primeiras oportunidades nos profissionais.

E assim, na entrevista coletiva, para finalizar, comemorou o fato de poder enfrentar o Paraná na Série A – o duelo será válido pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro, neste domingo, às 11h, na Vila Capanema.

– O Paraná, quando eu vou falar dele, tenho um carinho. Saí dele, fiquei três anos lá e pude ver o clube dar essa volta por cima. Na Vila Capanema, o Paraná é chato, encardido. Eles usam o fator casa como um caldeirãozinho. Já estamos vendo vídeos em cima deles, como marcam e tudo mais. Que bom jogar com eles na Série A – finalizou.

Fonte: Terra