O clássico entre Fluminense e Botafogo às 19h30 deste sábado, no Maracanã, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro, pode ser o último dos goleiros Diego Cavalieri e Jefferson pelos seus atuais clubes. Assediados por rivais, os dois têm futuro incerto e suas saídas como prováveis ao final desta temporada.

Principal jogador do elenco do Botafogo, Jefferson viu o assédio ao seu futebol aumentar nos últimos meses, quando assumiu a titularidade da seleção brasileira após a chegada do técnico Dunga. O camisa 1 tem contrato com o Alvinegro até o fim de 2015, mas a péssima situação financeira do clube e as constantes propostas devem ser suficientes para que chegue ao fim sua passagem por General Severiano.

O São Paulo é um dos clubes onde o nome de Jefferson já circula com força nos bastidores, embora a diretoria tricolor negue o interesse. O time paulista diz que dará oportunidade ao reserva Dênis no ano que vem, quando Rogério Ceni deve encerrar sua carreira. O Internacional é outro interessado nas qualidades do arqueiro alvinegro.

“Não tenho nada certo com clube algum. Respeito muito o Rogério Ceni e o Dênis, que são os goleiros do São Paulo. Agora penso só no Botafogo. Não tem proposta alguma. Quero que saibam que o Jefferson não está cavando nada. Não estou procurando time. Estou pensando somente nos seis jogos que temos até o fim do ano. Gostaria de passar isso para encerrar o assunto”, disse Jefferson.

Entre os candidatos à presidência do Botafogo na eleição deste ano, porém, Jefferson é unanimidade. Todas as chapas prometem ter uma conversa com o goleiro caso com o objetivo de manter seu principal jogador no clube caso sejam eleitas. Com multa rescisória fixada em US$ 10 milhões (aproximadamente R$ 25,6 milhões), o goleiro é visto como peça chave no elenco e sua saída sequer passa pela cabeça dos dirigentes.

A situação de Diego Cavalieri é um pouco diferente, mas deve ter o mesmo final. O goleiro negocia a renovação de seu contrato com o Fluminense, com data de término no fim deste ano, mas dificilmente fica nas Laranjeiras. O Tricolor terá um orçamento mais enxuto em 2015 pela redução de investimento da Unimed Rio, o que dificulta o acerto.

Assim como Jefferson, Cavalieri também foi assediado pelo São Paulo durante o ano. O goleiro não teve um ano tão destacado quanto os anteriores pelo Fluminense, mas ainda tem o nome em alta no mercado brasileiro após passagens pela seleção brasileira.

Se na seleção Jefferson tem tido mais sucesso, tendo assumido inclusive a titularidade nos últimos meses, no Campeonato Brasileiro é Cavalieri quem leva a melhor. O Fluminense está na sétima posição e briga por uma vaga na Libertadores, com 54 pontos, enquanto o Botafogo luta contra o rebaixamento, na 18ª posição, com 32 pontos.

Fonte: UOL