João Paulo é uma das peças chaves do Botafogo no elenco atual. Desde que voltou de lesão, virou titular absoluto, sendo um dos jogadores de destaque do time Alvinegro. Em uma entrevista exclusiva para a Rádio Opinião, o volante falou sobre a boa fase, sobre a volta depois da contusão e até mesmo sobre seleção brasileira.

Rádio Opinião: 1- Depois da fratura na perna no jogo contra o Vasco em 2018, você chegou a pensar em desistir? E você acha que já está 100% recuperado?

João Paulo: Depois da fratura, eu sempre pensei em muita coisa, muitas coisas vinham a cabeça, se eu voltaria a jogar como antes. Foi um momento difícil mas eu sempre acreditei que eu pudesse voltar com o futebol de antes e hoje sim me considero 100% tanto fisicamente na questão da lesão e também tecnicamente.

Rádio Opinião: 2- O que esperar do Botafogo SA e você pensa em permanecer no Botafogo na próxima temporada?

João Paulo: A questão do projeto do Botafogo SA é uma coisa que a gente não sabe ao certo se vai acontecer, como vai ser, a gente não tem muita informação sobre isso. Nós ouvimos muitas pessoas falando mas a gente ta bem focado no nosso trabalho aqui, no que a gente tem que fazer, nos nossos jogos. E da mesma forma, o meu projeto para o ano que vem, eu tenho contrato com o clube, então não penso muito isso, to bem focado no agora e sempre no próximo jogo.

Rádio Opinião: 3- Você ainda tem a ambição de chegar à seleção?

João Paulo: Seleção Brasileira é sempre um sonho, desde criança. Não é uma coisa que mexe comigo, que me preocupa se eu vou ou não. Eu faço o meu trabalho e procuro fazer bem feito e isso tudo é uma consequência do meu dia a dia, do que eu estiver fazendo. O que eu espero é sempre poder estar ajudando o Botafogo, ganhando os jogos e sempre ir em busca de títulos.

Rádio Opinião: 4- Nos últimos jogos você vem sendo uma peça chave para o time titular e tem se destacado muito, sendo sempre um dos melhores em campo. O que fazer para manter a confiança e continuar o trabalho que vem fazendo?

João Paulo: Meu pensamento é ajudar meus companheiros, meu time a conseguir o objetivo. Infelizmente esse ano a gente está com o objetivo de apenas se livrar do rebaixamento. Com certeza esse grupo queria está brigando por coisas maiores, mais em cima na tabela, mas a minha parte é estar sempre ajudando, tentando evoluir, também individualmente para que eu possa acrescentar alguma coisa para o grupo. Tomara que eu consiga manter essa minha sequência e estou sendo bem positivo.

Rádio Opinião: 5- A torcida do Botafogo hoje te reconhece como um jogador fundamental para o time. Como é a sua relação com a torcida e a sua identificação com ela?

João Paulo: A minha relação com a torcida é recíproca, desde o momento da minha chegada ao clube, tanto quando eu passei pelo período da lesão, quanto na minha volta, tive sempre muito apoio e procuro agradecer isso sempre dentro de campo, mostrando a minha determinação, minha vontade de vencer, para que a gente consiga o objetivo maior que é fazer o Botafogo vencer e seguir em frente.

Rádio Opinião: 6- O Botafogo vem sendo o clube que mais utiliza jogadores da base no time profissional. De que forma a utilização dos meninos tem ajudado o time? E qual é o peso que você tem para esses jogadores por já ser um atleta mais experiente?

João Paulo: O Botafogo hoje atravessa uma fase financeira difícil, nós sabemos que temos muitos meninos esse ano no grupo, até pela necessidade que o clube se encontra. Meu papel é fazer eles crescerem, amadurecerem o quanto antes, porque querendo ou não é uma grande oportunidade que eles estão tendo e nós como os mais experientes temos que colocar eles no caminho certo e estar sempre tentando auxiliar e dar alguma ajuda para que eles evoluam e cresçam também como jogadores e como homens. Então eu vejo muito potencial neles e espero que eles consigam estar sempre em evolução.

Rádio Opinião: 7- Infelizmente o Botafogo sofre com os salários atrasados e isso acaba prejudicando a equipe de uma certa forma. O que fazer para isso não atrapalhar o desempenho dentro de campo?

João Paulo: Isso é uma situação delicada, difícil que a gente tem enfrentado durante a temporada. Nós tentamos passar por cima disso mirando um objetivo maior que é no final da temporada o clube permanecer na série A e que as coisas mudem e se ajeitem, para o ano seguinte. Mas que isso atrapalha é indiscutível, alguns tem uma necessidade menor, outros maior, os funcionários da mesma forma, mas na base da conversa a gente vai tentando ajudar o outro como pode, a gente tenta seguir em frente e tentar fazer o Botafogo vencer que é o mais importante.

Fonte: Rádio Opinião