Em ótima fase e ainda com a possibilidade de disputar a Copa Libertadores em 2019, o Botafogo visita o Santos nesta quarta-feira, mas é na segunda, no Nilton Santos, contra o Paraná, que o botafoguense pode se deparar com o momento mais emocionante desta reta final de ano: homenagens a Jefferson e a provável despedida do ídolo do futebol – e atuando pelo clube.

Não é novidade para ninguém que Jefferson pretende encerrar a carreira ao fim da temporada. Alguns torcedores, ao longo do ano, tentaram demovê-lo da ideia, mas o goleiro de 35 anos vai mesmo pendurar as luvas, sobretudo depois de trauma no tórax, fratura da cartilagem tireoide, um edema nas cordas vocais e a quebra de dois dentes, com o choque envolvendo Lucas Paquetá, ocorrido no clássico contra o Flamengo, no dia 21 de julho.

Desde então, são quatro meses sem entrar em campo. E poderia ser pior, uma vez que o goleiro corria o risco de nem retornar aos gramados. Contra o Flamengo, agora pelo returno, voltou a ser relacionado e estar à disposição, assistindo, do banco, ao Gatito Fernández atuar com muita segurança.

– Quem está recuperado é o Jefferson. Um retorno importante para a gente, como líder, atleta experiente. Vai agregar muito – comentou Zé, quando confirmara a volta de Jefferson à lista de relacionados, há 11 dias.

Internamente, ainda à espera do resultado contra o Santos, um duelo importante para as pretensões internacionais, o Botafogo prepara, junto ao departamento de marketing, homenagens à altura da trajetória do antigo goleiro da Seleção Brasileira, que, pelo Glorioso, é tricampeão carioca, vencedor da Série B e soma 458 partidas – o que o deixa como o terceiro atleta que mais vezes defendeu o clube da Estela Solitária. O que será feito para louvá-lo, no entanto, ainda é guardado a sete chaves pelo marketing alvinegro. A aguardar a festa, cuja “cereja do bolo” será a provável presença de Jefferson entre os 11.

Fonte: Terra