A contratação de Roger, o interesse em William Pottker e a necessidade de, pelo menos, um atacante de velocidade, pode diminuir o espaço de jogadores mais jovens no Botafogo. Mas eles têm fome de sucesso e pressa para participarem logo. Empréstimo? Ao LANCE!, Pachu revelara que o desejo dele para o ano novo é continuar no Glorioso.

– O que eu quero? Uma mensagem ou uma ligação dizendo que eu estou dentro (dos planos) no ano que vem – sorri Pachu, que estreou pela equipe profissional no último jogo do ano, contra o Grêmio.

As aparições de Pachu até como titular em alguns treinos antes da rodada final do Campeonato Brasileiro se deu pela ausência de atacantes de velocidade naquela ocasião. E exatamente o fato de não ficar preso à area é que o jovem atacante imagina poder favorecê-lo.

– Sinceramente, ainda não sei (se continuo). Mas como atacante que sai bastante para o jogo e faz outras funções, estou pronto. Espero que a comissão possa contar comigo. Vou dar minha vida para ajudar em cada campeonato, cada jogo – garante Pachu.

Para a função, atualmente o Glorioso conta apenas com Rodrigo Pimpão, uma vez que Neilton não continuou. Hyuri foi descartado e o colombiano Caicedo está sendo avaliado.

BATE-BOLA PACHU
Ficou surpreso com a chance?
Um pouco surpreso, mas trabalhei muito, dei minha vida. Cada treino era final de Copa do Mundo. Fico feliz por o Jair me utilizar alguns minutos.

Foi difícil a transição?
Eu já conhecia bastante gente: o pessoal da base que subiu antes, como Leandrinho e Diego. E do restante, quem eu não conhecia me recebeu bem, assim como a comissão técnica.

Você costuma perguntar bastante aos mais experientes…
Claro. Já perguntei ao Camilo, pois jogo em posição parecida com a dele e na dele, às vezes. Procurei saber algumas coisas que nós, jovens, precisamos aprender. No profissional, a cada dia tem um aprendizado.

Fonte: Terra