Ladrão de bolas do Botafogo, Gabriel tem duelo com Willians

Compartilhe:

O volante Gabriel, de 21 anos, teve sua grande chance no futebol no ano passado, quando assumiu a posição de titular do Botafogo no começo do segundo turno do Campeonato Brasileiro. De lá para cá, ganhou papel fundamental no sistema de jogo do técnico Oswaldo de Oliveira, desbancando, por exemplo, o experiente Renato. Nos números, apresenta como sua principal característica a precisão nas roubadas de bola.

No Campeonato Brasileiro deste ano, Gabriel acumula 22 roubadas de bola em 11 jogos disputados, com média de duas. No entanto, quinta-feira, no Maracanã, pela 14ª rodada da competição, vai encarar o maior ladrão de bolas do Brasil: Willians, do Internacional, que já tem 50 na competição em apenas nove jogos, com média de 5,56.

– Desde a época de Flamengo, o Willians já vinha se destacando na posição. Dá para se espelhar nele pela precisão no bote para roubar bolas. Também vem aperfeiçoando o passe, dando assistência e fazendo até gol. É um jogador que cresce bastante. Vou tentar alcançá-lo no decorrer do campeonato – afirmou Gabriel, que está entre os 20 melhores do Brasileiro em total de roubadas e na média.

Em um grupo que conta com jogadores experientes no setor de marcação, Gabriel procura conselhos para melhorar seu rendimento em campo. No entanto, diz que sua aptidão para roubar bolas vem desde as categorias de base.

– Sempre converso com o Marcelo Mattos, que é um grande roubador de bolas. Ele fala sobre posicionamento, pois se estiver bem posicionado a chance de roubar a bola é maior. Aconselha a não ir seco na jogada. Mas tenho essa coisa de roubar bola desde a base e gosto também de chegar no ataque, dar assistências e fazer gols. É uma posição na qual tenho que fazer o time andar, ser um motor, dando opção de passe – explicou.

Nesse confronto com o Internacional, Gabriel terá pela frente o meia argentino D’Alessandro. Os dois se enfrentaram no Brasileiro do ano passado, em setembro, e o confronto terminou empatado em 1 a 1, no Engenhão. O volante do Botafogo saiu como recordista de roubadas no jogo, com seis, além de quatro desarmes e apenas duas faltas cometidas. O rival finalizou três vezes a gol e sofreu cinco faltas, maior marca do jogo.

– Ele é um jogador chato com a bola no pé, tem uma ginga de corpo que todo mundo já conhece, e vamos tentar neutralizar. Vou dar uma chegadinha no Bolívar e perguntar como faz para parar – comentou Gabriel, lembrando o drible de D’Alessandro conhecido como “La Boba”.

Outra preocupação de Gabriel no momento é com o excesso de cartões amarelos. Neste Campeonato Brasileiro, ele já levou seis, custando duas suspensões, a última delas no empate em 1 a 1 com o Goiás, sábado, em Brasília. O volante garante estar consciente do que precisa fazer para evitar novas punições.

– Já fiquei triste por fica fora de dois jogos. Estou me cobrando bastante sobre isso e assumi a responsabilidade de tentar jogar mais e levar menos cartões. Em uma ou outra jogada não tem jeito, mas vou me conter ao máximo para roubar a bola sem fazer faltas e deixar o Oswaldo com mais opções para escalar o time – comentou Gabriel.



Fonte: Globoesporte.com
Comentários