Depois da vitória de ontem do Botafogo sobre o Coruripe por 1×0, o atacante Luis Henrique concedeu entrevista na tarde desta quarta-feira (06) e comentou sobre o seu momento vestindo a camisa do Glorioso. Mesmo reserva, ele é o artilheiro do clube nesta temporada de 2016, com 3 gols marcados.

Visando poupar alguns titulares, o técnico Ricardo Gomes acabou escalando um time misto para a estreia da Copa do Brasil. Luis, aos 40 minutos, pode marcar o gol que deu a vitória do Alvinegro na partida inicial da competição nacional. O jogador afirmou que a oportunidade apareceu e ele soube aproveitar.
“Fiquei muito feliz por ter marcado o gol, principalmente, por ser o gol que nos deu a vitória. Trabalhei e venho trabalhando muito para poder aproveitar as oportunidades que vierem a aparecer nesta temporada. Na Copa do Brasil, normalmente, utilizam o time misto. Desta forma, procurei aproveitar a chance”.

Sem ainda ter contratado um atacante para assumir a posição e com o companheiro Sassá ainda em processo de recuperação de uma grave lesão, o jovem atacante iniciou a temporada com a camisa 9, mas ao longo dos jogos perdeu espaço e retornou ao banco de reservas. Segundo ele, isso é normal e tem a ver com a situação do clube.
“É normal pela situação que o Botafogo passa, tanto financeiramente, quanto de estruturação. Estou fazendo parte disso como outros atletas. Só devemos entender a situação do clube que tudo fica mais fácil”.

Perguntado sobre Ribamar, o atleta fala que a relação com o atual e titular atacante escolhido por Ricardo Gomes é boa. Além disso, citou o entrosamento entre os dois, que vem desde a base.
“Super tranquila. Eu e ele somos amigos desde a base. Jogamos juntos e temos um entrosamento desde lá. Somos dois jovens e sabemos da pressão que é vestir a camisa do Botafogo”.

Luis Henrique terminou repercutindo que não tem problemas em sentar no banco de reservas, mas afirma que nunca faltará trabalho para buscar o retorno ao time principal do Botafogo, novamente utilizando a camisa 9. No entanto, garantiu que sendo titular ou reserva, estará sempre buscando estar no melhor de seu preparamento para ajudar quando necessário.

“Pra mim não faz diferença, levo como algo positivo e motivador. Desde quando subi aos profissionais, não tenho problema com isso. Atacante ganha a oportunidade quando faz gol. Estou confiante e trabalhando bastante. Espero buscar meu lugar sempre. Não importa se começarei como reserva ou titular, estarei sempre trabalhando forte”.

Fonte: Site da Rádio Tupi