Em setembro de 2014, o lateral-direito Régis chegou ao Botafogo como candidato a suprir carência da posição no clube. Se, no início de sua passagem, o jogador esbarrava na presença de Lucas como titular do setor, terminou o ano formando parte do onze inicial graças à lesão do concorrente. No início de 2015, Régis se desligou do Alvinegro e acertou com o Capivariano a fim de ganhar mais minutos. No novo time, foi testado na lateral-esquerda e se firmou por ali.

Caçula na Série A do estadual de São Paulo, o Capivariano entrou no campeonato com a ambição de se manter na elite paulista. Com um elenco jovem, o caminho foi árduo, mas a equipe conseguiu concluir o objetivo. Com contrato com o Capivariano até o dia 23 de abril, o lateral teve a saída definida e definiu como um “período de aprendizagem”.

Nesta quarta-feira, Capivariano e Botafogo se enfrentam pelo jogo de ida da segunda fase da Copa Brasil. Em exclusiva à reportagem da Super Rádio Tupi, Regis falou sobre o confronto que envolve seus ex-clubes e destacou a qualidade da equipe paulista.

“É um jogo que tem suas peculiaridades, sua importância para ambos os clubes. O Botafogo vem de um resultado adverso, mas isso não mancha o que tem feito na temporada até o momento. O Botafogo deve ir de reserva e o Capivariano vai com uma equipe, digamos, em remontagem. Alguns jogadores saíram, inclusive eu, mas será um jogo de bons valores em campo, com jogadores querendo se firmar no cenário nacional, tanto de Botafogo, quanto de Capivariano”, afirmou.

Confira outros pontos abordados no bate papo com Régis.

CAPIVARIANO EM 2015
É uma equipe que conseguiu se manter na primeira divisão do Campeonato Paulista. O time estreou este ano, fez uma campanha de recuperação e tem seus valores. É uma equipe com uma média de idade baixa e tem o Rodolfo como destaque. É jovem, tem força física, bom arremate. É um jogador que tem potencial para despontar no futebol brasileiro. Foi uma das revelações do Campeonato Paulista.

QUALIDADE DO GRAMADO
Foi batizada de Arena por causa da cidade. Mas não se compara com as Arenas da Copa do Mundo, principalmente o gramado. Tivemos problema na época que estava chovendo. Então, caso chova, pode prejudicar o nível técnico da partida. Caso não, acho que não teremos problema.

SAÍDA DO BOTAFOGO
Na verdade, foi um desejo meu, e não por parte da diretoria. Porém, logo após a minha saída, o Botafogo passou por um momento de reestruturação. Então, fica o sentimento de poder ficar mais um pouco, de ter aproveitado esse momento do clube. São situações que acontecem na carreira de um jogador de futebol, que é feito de escolhas e nem sempre acertamos. No Capivariano, fiz um contrato de três meses, somente pro Campeonato Paulista. Não me interessei em renovar porque no segundo semestre eles não têm calendário. Preferi aguardar algo no cenário nacional, tanto na Série A, quanto na Série B.

Fonte: Super Rádio Tupi