O ano era 2015, o Botafogo disputava a Série B pela segunda vez na história e possuía um investimento baixo no elenco. O facho de luz do Glorioso para os próximos anos estava na base: Luís Henrique, atacante de 17 anos. Mesmo com pouca idade, logo foi incorporado entre os profissionais do clube e já impressionou na estreia, marcando dois gols na vitória por 5 a 0, contra o Sampaio Corrêa.

Depois disso, o centroavante recebeu outras 15 oportunidades naquela temporada, voltando a marcar em duas ocasiões. No ano seguinte, com o Botafogo na Série A, recebeu mais chances, com três gols em 23 partidas. Em 2017, um imbróglio pela renovação de contrato deu fim à passagem de Luís Henrique em General Severiano. A ocasião foi marcada por uma revolta do Botafogo com o não acordo, quando o clube expôs a situação nas redes sociais. Por sua vez, o atacante diz que não se arrepende da saída e descarta mágoa com a instituição.

“Os planos e as intenções no momento não eram os mesmos, tanto do clube como da minha parte. A gente não chegou a um acordo para renovação. Não me arrependo de nenhuma forma. O Botafogo é um grande clube do Rio. Creio que minha saída naquele momento serviu para me dar muita bagagem no futebol. Sou muito maduro e muito preparado para a minha carreira, mesmo sendo tão novo. Não ficou nenhum tipo de mágoa, só agradeço por tudo que o Botafogo me proporcionou. Poder estrear com 17 anos, passei três anos na base… Só agradeço”, afirma o jogador, em entrevista exclusiva ao FOXSports.com.br.

Luís Henrique foi um dos muitos jogadores que teve seu processo de amadurecimento acelerado por necessidades da equipe profissional. Por sua vez, ele admite que também teve responsabilidade por não ter correspondido à expectativa da torcida.

“Algumas coisas foram precipitadas. O clube teve seus erros, mas também tive os meus e não posso fugir das responsabilidades. Mas já passou e ficou como aprendizado. Certamente fiquei mais forte”, disse o atleta.

Após deixar o Botafogo, o atacante passou por Athletico Paranaense, Feirense-POR, Nacional-SP, Grêmio (equipe de aspirantes) e Oeste. Aos 21 anos, Luís Henrique vai ganhando destaque no HIFK, 9° colocado do Campeonato Finlandês. Em 14 jogos, ele marcou oito gols, e não pensa em retornar ao futebol brasileiro tão cedo.

Grêmio e Botafogo passaram por carências no ataque em 2019. Questionado se poderia ser titular em algum dos clubes neste ano, o jogador se esquiva da possibilidade, mas garante que ajudaria com a sua qualidade.

“É impossível dizer se eu seria titular em um clube ou não, já que não estou atuando no Brasil, onde a dinâmica é muito grande. Se estivesse, estaria ajudando, sei da minha qualidade, do poder que tenho dentro de campo. Mas não tenho intenção alguma de voltar ao Brasil tão cedo. Pretendo continuar na Europa e ser titular por lá”, afirmou.

Embora a relação tenha sido conturbada no fim, Luís Henrique se mostra grato ao Botafogo. O nome do Glorioso agrada ao jogador num possível retorno ao Brasil no futuro da carreira, já que se trata de um clube do Rio de Janeiro, local onde o atacante foi criado.

“Nada contra os outros times, mas é onde minha família mora. Se um dia voltar ao Brasil, minha preferência seria de clubes do Rio. Não exclusivamente, apenas uma preferência”, comentou o jogador.

Em 14° no Brasileirão, o Botafogo se aproxima cada vez mais de garantir a permanência na Série A para 2020. Da Finlândia, o ex-jogador do Glorioso torce para que o clube saia da situação perigosa na elite do campeonato.

“Não acompanho muito o futebol brasileiro, mas torço para que o Botafogo escape do rebaixamento. Seria uma pena um grande do futebol voltando para a Série B. A gente lutou em 2015 para o Botafogo sair da Série B e subir à Série A de volta. Então, é claro que minha torcida é sempre para ver o Botafogo no seu melhor nível, buscando por coisas grandes, mesmo que nos últimos anos esteja brigando na metade da tabela”, disse Luís Henrique.

Fonte: Fox Sports