Logo após o treino do feriado desta sexta-feira, no Estádio Nilton Santos, Marcelo Benevenuto foi quem apareceu na sala de imprensa para conceder entrevista coletiva. Ainda tímido, mas sorridente e bem-humorado, o zagueiro revelou uma situação inusitada na qual Eduardo Barroca esteve envolvido.

Antes integrante de um grupo da “zoeira” do WhatsApp junto a jogadores que trabalharam consigo nas categorias de base, segundo o defensor, Eduardo Barroca saiu assim que Felipe Lucena (outro ex-treinador da base alvinegra e que, hoje, é auxiliar-técnico do Goiás) postou uma matéria em que dizia a possibilidade de Barroca assumir o comando técnico do Alvinegro.

– Tinha um grupo no WhatsApp que o Barroca também estava, grupo da zoeira mesmo. O Felipe Sassá (Lucena) jogou uma nota que dizia que ele estava perto de voltar. Ele saiu do grupo na hora. Colocamos uns olhinhos (emojis). A gente ficou feliz por ele, mas na hora não deu nem para parabenizar (risos) – brincou Marcelo, completando a respeito da mudança de postura do técnico:

– Na base, ele (Barroca) brincava muito com a gente. No profissional, pode brincar, mas nem tanto. Está mais sério, na dele, normal. Mas continua o nosso amigo – completou, irreverente.

SÃO PAULO NA MIRA

Marcelo Benevenuto também respondeu perguntas a respeito do São Paulo, adversário do Alvinegro na estreia do Campeonato Brasileiro, dia 27 deste mês, no Morumbi. O atleta de 23 anos disse que Antony é o principal trunfo tricolor.

– É sempre bom estar conhecendo o adversário, ver o que vamos esperar lá. Eles (São Paulo) têm um time muito agressivo, que não fica muito com a bola e procura atacar mais rápido. Temos que estar preparados para isso, e avisamos ao Barroca para ficar tranquilo que a gente vai dar conta do São Paulo lá (risos).

– Vou assistir ao jogo (finalíssima do Paulista, contra o Corinthians, no domingo), tem o Antony, ficar ligado nele. Eu gostei muito só desse Antony, me chamou muito a atenção, o resto são jogadores normais – finalizou.

Fonte: Terra