Muito vaiado pela torcida do Botafogo no jogo de segunda-feira contra o Madureira, quando fez um gol contra e acabou se redimindo no fim ao dar a assistência para o gol de Kieza, o lateral-direito Marcinho concedeu longa entrevista publicada nesta sexta-feira ao site Globoesporte.com. O jogador, oriundo da base, revelou sentir as vaias da torcida.

Claro que fico chateado, ninguém gosta de ser vaiado, mas estamos lidando com paixão, emoção e, muitas das vezes, essas coisas não tem como medir, controlar. Sai da razão e vai para a emoção. Eu tento não ficar, mas fico chateado – afirmou Marcinho, dizendo que essa cobrança acaba atrapalhando:

Atrapalha demais. A gente fica com pensamentos ruins, só que eu sou bem assessorado. Tenho a confiança do meu clube, da diretoria, dos meus companheiros, da comissão técnica. Faço um trabalho de coaching com o Lulinha Tavares, estou sempre com ele no telefone. Faço um trabalho de concentração para esquecer tudo. Até elogios podem atrapalhar. Temos que estar bem focados, não nos importar com o que falam, estar sempre no caminho certo.

Campeão brasileiro sub-20 em 2016 com o Botafogo, Marcinho é tido pela diretoria como principal ativo financeiro do clube e foi o jogador que mais recebeu sondagens do exterior ao fim do ano passado. Até o início da semana, ele era o único lateral-direito de ofício no elenco, antes do retorno de Fernando, outro jogador formado na base e que estava emprestado ao futebol francês.

Leia alguns trechos da entrevista de Marcinho:

VAIAS

“Difícil eu me colocar nessa posição de julgar o que eles pensam, o que têm a dizer sobre mim, mas o que tenho a dizer é que dou o meu máximo, estou sempre me esforçando, trabalho muito, todos os meus companheiros sabem disso. Eles podem pensar isso de mim, que eu trabalho demais e que nunca estarei em campo de brincadeira.”

JOGO CONTRA O MADUREIRA

“Eu sempre digo que a gente tem que ter confiança no nosso trabalho. Foi o que aconteceu ali. Fui até o final e, quase no finzinho, pude dar a assistência para o gol. É preciso se manter calmo, o mais tranquilo possível, porque no desespero as atitudes não são as mesmas, são mais descontroladas, emotivas.”

“Zé me deu força, falou para eu ficar tranquilo, esquecer tudo, pois estava fazendo boa partida. Era continuar jogando que eu seria premiado. Acabou saindo dos meus pés o gol da vitória.”

COACHING

“Ele (Lulinha Tavares) é um grande amigo da minha família e começamos em 2014. Eu estava até afastado na base, tive um problema com o treinador da época e depois disso ele veio conversar comigo. Falou que eu tinha que voltar, que não podia ficar em casa sem fazer nada. Ele disse que eu não podia desistir do meu sonho. “Volta lá, pede desculpa e começa do zero”, disse. Eu nem era lateral ainda. Foi uma virada na minha vida a partir do momento que comecei a trabalhar com ele. Tem dado bastante frutos.”

O QUE MELHORAR

“É complicado, mas eu continuo evoluindo em tudo. Finalização, cruzamentos, parte defensiva. Estou sempre com os caras da análise de desempenho procurando trabalhar tudo isso, fazendo pesquisas sobre outros laterais que atuam lá fora em grandes times. Assim que vou procurando corrigir meus erros e melhorar.”

SONHOS

“Eu tenho alguns. Queria jogar fora do país, em um grande clube, pode ser qualquer um desses que estão sempre nos holofotes: Real Madrid, Barcelona, Juventus… E tenho o sonho de ser campeão do mundo com a Seleção. O sonho de todo garoto”.

LEMBRANÇA DE TITE

“Um dos dias mais incríveis da minha vida. Fiquei totalmente surpreso. Estava fazendo a recuperação de um jogo, assistindo com aquele fio de esperança que sempre existe. E acontece aquilo. Comecei a chamar minha mãe, meu pai, meu avó… Fiquei com medo dele infartar”.

“Foi muito legal, um momento de reconhecimento. Não se concretizou com uma convocação, mas foi um grande momento para mim.”

FERNANDO

“É importante ter uma sombra. Um cara para estar ali e ajudar também. Se o Zé Ricardo achar que ele merece jogar, vai jogar. É um garoto que sempre esteve comigo na base, tem muito potencial. As características são um pouco diferentes. Ele cabeceia muito bem, tem uma força defensiva importante. É um jogador que vai somar muito no elenco.”

Fonte: Globoesporte.com