Empatar em casa no Brasileiro raramente é bom negócio, mas ontem foi o caso para o Botafogo. Sheik estreou em grande estilo, honrou a histórica camisa 7, mostrou força, dedicação e solidariedade e comandou uma reação dramática que quase termina em uma grande virada. O jogo, no entanto, aproximou-se do trágico para o Botafogo.

A sua defesa fez um péssimo primeiro tempo, sempre lenta e mal colocada e, em uma falha grotesca de Júlio César, Rafael Moura marcou o primeiro e ainda faria o segundo, provocando indignação e vaias da torcida. No intervalo, Vagner Mancici mandou bem ao tirar Júlio César e Jorge Wagner e, depois, substituir o cabeça de bagre Airton por Edílson, improvisado mas muito bem na armação. Jogando com calma e personalidade, o Botafogo melhorou no meio campo e empatou com um gol de Sheik e outro de Zeballos, em passe de Sheik.

A torcida vibrou nas cadeiras por várias razões: o time evitou uma derrota que parecia certa, Sheik mostrou vontade e talento e abriu-se a perspectiva de uma reação no campeonato se os jogadores mantiverem a mesma determinação de ontem. Um empate que, nas circunstâncias, foi uma vitória.

Fonte: Coluna do Márcio Guedes - O Dia Online