Marcos Vinícius voltou a jogar na última rodada. Valencia evolui a cada treino e deve estar à disposição. Isso significa que, para mudar e fazer o Botafogo vencer, o técnico Zé Ricardo deixa de ter nenhum para ter dois meias visando ao jogo contra o Atlético-PR, neste sábado. E os números mostram que a probabilidade de eles contribuírem ofensivamente é grande.

Ambos chegaram ao Glorioso no ano passado e, por razões diferentes, não são figuras assíduas como titulares desde então. O chileno até participou bastante este ano, mas não contava com tanto prestígio em 2017. Por outro lado, o ex-jogador do Cruzeiro vive às voltas com problemas físicos ao longo da carreira.

Nada que tire o mérito da dupla. Esse ano, Marcos Vinícius tem um gol em 14 jogos, além de ter sofrido um pênalti que resultou em gol num dos clássicos com o Vasco, pelo Campeonato Carioca. Na temporada passada, no Glorioso, foram 25 jogos e cinco gols marcados. Além disso, um pênalti sofrido que acabou convertido pela equipe, uma assistência e a participação em outro gol.As penalidades sofridas, os gols e as participações em gols refletem as maiores virtudes de Marcos em campo: a capacidade de infiltração e os chutes de média distância. Já Valencia soma 42 jogos e quatro gols nesta temporada. Mas o que faz ele se destacar é o número de assistências: nove, sendo seis de bola parada. Cobranças de falta e escanteio são pontos fortes.

Por meio de cruzamentos, tem mais uma participação em gol com bola rolando e outro de bola parada. Pontos que deverão gerar perigo aos próximos adversários do Glorioso. No ano passado, o chileno, se não fez gol nos 15 jogos que disputou, deu duas assistências e participou de outros cinco gols. Apesar de não ser unanimidade entre torcedores, é comprovadamente útil à equipe.

Ainda é cedo para avaliar que mudanças Zé Ricardo promoverá no Botafogo. Porém, se optar por pelo menos um deles, o repertório ofensivo da equipe que vem atuando com três volantes deve aumentar.

Fonte: Terra