Campeão carioca em 2010 e 2013, Mauricio Assumpção lembrou períodos de sua gestão como presidente do Botafogo em conversa com o jornalista André Marques, do AM Canal. O dirigente, que ficou no cargo de 2009 a 2014, fez uma observação.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

– Nesse período de quarentena percebi uma coisa bacana. Nesse momento de retrospectiva da década se elege os maiores, maiores contratações, maiores ídolos, maiores jogadores estrangeiros, times mais marcantes, e está tudo dentro da parte de gestão de 2010 a 2013. Interessante que uma parte significante da nossa gestão ficou marcada no coração da torcida – declarou Mauricio Assumpção.

O ex-presidente revelou o que considera sua melhor atitude no Botafogo.

– Meu maior acerto, sem sombra de dúvida, foi ter investido na reestruturação do futebol de base do Botafogo. Mostramos que era possível, mesmo sem dinheiro, que era um discurso que eu ouvia até então, mas falei para as pessoas responsáveis que não queria mais ouvir e disse “se virem”. E elas se viraram, com muita competência. Em três anos e meio fizemos geração de Vitinho, Dória, Gabriel, Gilberto, Jadson, Gegê, Sassá, depois veio Igor Rabello, Matheus Fernandes, muita gente boa. Com time que deu sustentação para a garotada subir. Se não tivesse um time como o de 2013, talvez essa garotada tivesse se perdido. Tinha Jefferson, Bolívar, Renato, Marcelo (Mattos), Lodeiro, Edílson, Jorge (Wagner), Fellype (Gabriel), Rafael (Marques) e o Seedorf, que deu consistência a esses meninos – explicou.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo | Cupom de 10% de desconto

Mauricio Assumpção, sobre rebaixamento: ‘Problema meu’

Contudo, nem tudo foram flores. Em 2014, já sem o Estádio Nilton Santos, polemicamente interditado, o Botafogo foi rebaixado no último ano da gestão Mauricio Assumpção.

– Meu maior erro foi ter caído para a Segunda Divisão. O que levou a isso foram algumas situações nas quais acreditei. Acreditei em pessoas que não deveria, não vou citar nomes. É um problema meu. E ter tomado atitudes que hoje talvez não teria tomado. Mas é fácil falar isso hoje, é uma covardia comigo mesmo. Agora é fácil falar. Acreditar demais nas pessoas talvez tenha sido um grande defeito meu em 2014 – admitiu.

Fonte: Redação FogãoNET e AM Canal