Uma instituição do futebol mundial. Prazer, camisa 7 do Botafogo, cuja rica história foi tecida, sobretudo, por Garrincha, Jairzinho, Maurício e Túlio Maravilha. De memoráveis ídolos de outrora, o traje não tem sido representado à altura nos últimos anos. Para não ampliar o recorte, neste ano, por exemplo, sete atletas já utilizaram o número e, com três treinadores diferentes na temporada, não há nem algo próximo da unanimidade.

O que mais vestiu o número 7, até agora, foi Rodrigo Pimpão, em 17 ocasiões – dos 33 jogos do Glorioso no ano. Na estreia de Marcos Paquetá, na última quarta-feira, a opção foi por João Pedro. Pimpão, contudo, entrou na vaga do jovem meia- atacante, mudou o cenário da partida – embora não tenha evitado a derrota por 2 a 0 – e pode ganhar nova chance entre os titulares no clássico contra o Flamengo, neste sábado, no Maracanã.

Além dos dois citados, Renatinho (cinco vezes), Marcos Vinícius (quatro), Luiz Fernando (três), Leandro Carvalho (uma) e Kieza (uma) também a vestiram. Até aqui, o ponto alto na temporada de um camisa 7 foi quando Kieza, pela primeira vez opção no flanco esquerdo, ainda com Alberto Valentim, marcou o gol da vitória contra o Fluminense, pelo Brasileirão.

Fonte: Terra