Carlos Augusto Montenegro, ex-presidente do Botafogo, concedeu entrevista ao site Globoesporte onde comentou o momento vivido pelo clube, a contratação de Alberto Valentim para o comando técnico da equipe, a busca por um novo camisa 10 para a equipe e aproveitou para falar de Paulo Henrique Ganso.

Aliado político do atual presidente e com bom trânsito pelo clube, o cartola que comandava o Glorioso na conquista do Campeonato Brasileiro de 1995 confirmou interesse inicial da equipe no jogador que atualmente está sem espaço no Sevilla, mas diante da incerteza de retorno técnico admitiu a desistência da atual diretoria.

“A gente chegou a pensar no Ganso, mas seria uma conta muito alta e também não sei se faria diferença hoje. Depois da frustração com o Montillo, da mesma forma que o Flamengo teve com o Conca, tem que tomar cuidado na busca”, afirmou, relembrando episódios recentes de investimentos não correspondidos no futebol carioca.

Ainda assim, Montenegro assegurou que a busca por um nome de peso continuou e contou que um grupo de torcedores estaria disposto a investir na transação: “Tem um envolvimento de Botafoguenses querendo trazer um jogador para ser ídolo. Já me contataram e falei que sim. São seis pessoas, e podemos trazer alguém que ganhe R$ 600, R$ 700 mil por mês. Agora estamos procurando esse jogador”, revelou.

Por fim, o ex-mandatário finalizou garantindo que o uruguaio Rodrigo Aguirre, da Udinese, cujo nome esteve vinculado ao clube neste início de temporada, não é o nome procurado pela diretoria: “Não é esse Aguirre, que sinceramente nem conheço, foi mais uma jogada de marketing desse cara”, declarou encerrando a questão.

Fonte: Fox Sports