O Botafogo não disputava uma edição da Libertadores desde 1996. Desde quando o Túlio, Donizete e companhia deram ao clube da Estrela Solitária seu primeiro e único título do Brasileirão. E não é que depois de uma campanha extremamente regular, com a honesta e honrosa quarta colocação, o Fogão volta à disputa? Mas sinceramente achei o elenco bem mais ou menos. Tirando o excelente goleiro Jefferson, a revelação Dória e mais dois ou três, o restante deixa muito a desejar.

Não fosse a qualidade técnica e o poder de liderança do holandês Seedorf certamente o desempenho do Fogão não seria o mesmo ao final de 2013. Na minha visão esse cara era meio time. Não à toa a pior fase da equipe na competição foi justamente quando o jogador ficou lesionado. Mas ele anunciou que deixará o time para assumir o comando do Milan. Isso mesmo! A proposta italiana para ser técnico foi tão boa que o ‘forçou’ anunciar a aposentadoria dos gramados.

Independente do legado que o gringo deixou por lá, a tal mentalidade europeia de trabalho, a direção do clube precisa trabalhar firme para substituí-lo. Rodrigo Souto e Bolatti já chegaram. O uruguaio Forlán ainda negocia. Seedorf foi profissional ao extremo no período em que jogou no Brasil. E isso fez um bem tremendo ao Botafogo. Precisa ser substituído a altura, sobretudo para os cariocas não passarem vergonha na Libertadores.

Fonte: Blog do Neto - UOL