A ciência já provou que um raio pode, sim, cair várias vezes no mesmo lugar. E é isso que Ribamar espera que aconteça — dentro de campo — neste domingo, quando o Botafogo reencontrar o Fluminense, vítima dos dois únicos gols marcados pelo jogador como profissional.

Em fevereiro, quando o Clássico Vovô teve seu primeiro capítulo no ano, o centroavante fez o segundo na vitória por 2 a 0 e rapidamente virou xodó da torcida. No mês seguinte, deixou mais um no duelo pela rodada de abertura da Taça Guanabara. Só não foi herói de novo porque Gum empatou, de cabeça, aos 47 minutos do segundo tempo.

Após perder algumas chances claras nos últimos jogos, Ribamar encara um jejum de sete partidas sem balançar as redes. Embora não tenha seu desempenho questionado internamente, o atacante lida com a pressão de comandar um setor ofensivo que tem passado por um período de instabilidade.

— Durante a semana inteira, trabalhamos com foco no ataque, já que nossa deficiência está no último terço do campo — justifica o técnico Ricardo Gomes.

No domingo, o Botafogo vai ter que balançar as redes de qualquer maneira, já que o Fluminense precisa apenas de um empate para se classificar à final do Campeonato Estadual.

Enquanto não tem um setor ofensivo afiado, o técnico se apoia na regularidade: o Alvinegro só passou em branco em uma oportunidade na temporada. Ele descarta, porém, ir com tudo para cima do Tricolor:

— Sair para o ataque, contra esse time do Fluminense, é morte certa. Temos a obrigação da vitória, mas vamos atuar de forma equilibrada — revelou Ricardo.

Fonte: Extra Online