A notícia do sumiço do corpo de Garrincha, revelado nesta quarta-feira em matéria de O GLOBO, correu o mundo. Veículos como a BBC, de Londres, o jornal Clarín, de Buenos Aires, e os diários esportivos espanhóis Marca e AS, entre outros, publicaram em seus sites matérias repercutindo o assunto.

Morto em 1983, Garrincha foi enterrado no cemitério de Raiz da Serra, distrito de Magé, na Baixada Fluminense. A administração do cemitério admite a hipótese de ter perdido os restos mortais de Garrincha durante um processo de exumação.

No local, existem duas sepulturas como o nome de Garrincha. A primeira é coletiva, e fica na parte baixa do cemitério. É onde o craque das pernas tortas foi originalmente foi sepultado. A segunda fica na parte superior. Distante 200 metros do primeiro túmulo, foi construída em 1985 pela prefeitura de Magé, que marcou o ponto com um obelisco.

O prefeito Rafael Tubarão admite a possibilidade de, com a concordância da família, fazer uma exumação nas sepulturas e um teste de DNA.

Fonte: O Globo Online