Ele não é atacante, não é muito de ir às redes, mas as comemorações dos gols de Gustavo Ferrareis são marcantes: imitando uma pantera, algo que o botafoguense se acostumou a ver com o ídolo Donizete, campeão brasileiro em 1995. Se chegou de forma discreta, o novo reforço do Botafogo terá a oportunidade ideal para brilhar no Rio de Janeiro e engrenar na carreira.

Aos 22 anos, Ferrareis vem de uma temporada positiva pelo Figueirense, clube no qual esteve emprestado neste ano – para o Glorioso, cabe destacar, vem sob as mesmas condições, com o vínculo a expirar em dezembro de 2019. Pelo Figueira foram 53 jogos (44 como titular) e oito gols, além de três assistências.

Ao fim do empréstimo com os catarinenses, o Inter não cogitou ficar com Gustavo Ferrareis, que acabou com a imagem arranhada justamente por conta da comemoração à la pantera. Ao LANCE!, o repórter Diogo Rossi, da Rádio Grenal, contou sobre o episódio na queda do Colorado à Série B, em 2016.

– No Inter, ele passou por um problema muito sério. No jogo da queda, contra o Fluminense, ele fez um um gol e imitou a pantera, que é algo ligado à família dele. Isso correu o mundo e o torcedor não gostou nada. Depois, foi liberado e perdeu o espaço (no Internacional) – disse Rossi.

De fato, a comemoração em um momento inadequado não foi bem digerida pelos colorados, que estavam atônitos com o inédito rebaixamento. Segundo Rafael Pfeiffer, da Rádio Gaúcha e também ouvido pela nossa reportagem, não só Ferrareis, mas outros garotos também ficaram “queimados”, à época.

– Essa comemoração era tradicional. Problema foi o momento que o Gustavo fez. Time estava rebaixado. Não pegou bem. Mas ele acabou marcado pelo rebaixamento, como quase todos os jogadores crias do Inter. Só o Rodrigo Dourado se salvou – salientou, emendando sobre o potencial do apoiador:

– O Ferrareis surgiu como uma grande promessa no Inter. Tinha habilidade pra jogar no meio e finalizava muito bem. Mas foi prejudicado por um Inter muito ruim que acabou rebaixado. A grande virtude dele sempre foi a versatilidade. Além disso, se desprendia bem do meio pra chegar na frente. Acabou fazendo alguns gols assim – completou.

CARÊNCIA NO SETOR

Gustavo Ferrareis comemora como pantera desde os tempos de divisões de base – chegou à Seleção Brasileira sub-15, inclusive. A realizou pela primeira vez na final do Gaúcho de 2016, quando explicou que é uma forma de homenagear os tios Paulo Rogério César e Evandro César. Porém, como gols não são a especialidade de Ferrareis, a torcida alvinegra espera, acima de tudo, um meia de ligação que traga consistência e dinâmica ao meio-campo do Botafogo.

Isso porque, em 2018, o Glorioso sofreu com a pouca produtividade de seus meias. Dá para dizer que apenas Leo Valencia se salvou, terminando a temporada com cinco gols e 11 assistências. No mais, Renatinho, João Pedro e Marcos Vinícius não conseguiram chegar perto de um nível aceitável.

Como o mercado não deve mais oferecer boas oportunidades a um Botafogo em crise financeira, Ferrareis terá uma missão considerável por aqui.

FALA, PANTERA (O ORIGINAL)!

– Legal saber disso (comemoração de pantera do Gustavo Ferrareis). É formidável! O Fogão sempre que tem uma pantera se dá bem (Victor Simões também fazia isso após os gols). Ele joga muito bem e posso dizer que foi, sim, um ótimo reforço para 2019. Acredito que vai dar liga no time de Zé Ricardo – falou Donizete, em contato ao L!, por telefone.

Fonte: Terra