Se excluirmos o primeiro tempo do jogo contra o Flamengo, o Botafogo não tinha lições positivas para explorar em 2019. A primeiro vitória tardou a sair, mas veio de maneira convincente, diante do Boavista, fora de casa, por 3 a 0.

Ainda que o Alvinegro tenha entrado em campo sem chances de ir às semifinais da Taça Guanabara, o adversário estava em casa, onde defendia o 100% de aproveitamento no ano e podia se classificar. Zé Ricardo optou por dar rodagem ao elenco e montar um posicionamento inédito do setor ofensivo.

Ou seja, havia risco de um novo vexame não era pequeno. Mas deu certo.

Aliás, não só deu certo como também trouxe um alento para os próximos jogos, pois o Botafogo conseguiu que o meio-campo fosse produtivo e envolvente, tanto nas transições – contra-ataques, sobretudo – quanto nas jogadas de profundidade. Cabe destacar que, com João Paulo ou Luiz Fernando na função de armador, o Glorioso estava travado na criação.

Erik deixou a ponta direita para atuar por dentro, logo atrás de Kieza – como Zé já tinha feito com Brenner, em 2018. O meia-atacante apareceu bem na construção e se apresentou para finalizar, tanto que partiu do centro para marcar um dos gols, após assistência (de cabeça) de Kieza.

Dentre os testes, Rodrigo Pimpão e Gustavo Ferrareis foram as escolhas para as pontas, sendo que Ferrareis iniciou como articulador. A constante movimentação da última linha surtiu efeito, principalmente quando Alex Santana teve fôlego para colaborar no apoio e na verticalidade dos passes.

‘DECISÃO’ PELA FRENTE

Titular nos jogos anteriores, Luiz Fernando entrou no 2º tempo. Viu, do banco, o ataque ser muito efetivo (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

O próximo desafio do Botafogo será uma “decisão”: contra o Defensa y Justicia, nesta quarta-feira, pela primeira partida da fase inicial Sul-Americana, em casa. Pela vitória e pelo rendimento, o botafoguense tem o direito de alimentar o ânimo e a confiança para a peleja no Nilton Santos. A acompanhar a evolução.

– A vitória é importante não só para a gente poder pontuar, mas para resgatar confiança do grupo, que estava abalada depois do início ruim. Nossa conta ainda é negativa para com a torcida e o clube, mas vamos tentar redobrar a atenção e evoluir nos próximos jogos. Demos um passo à frente, agora é tentar manter a regularidade e melhorar a performance – apontou Zé, em coletiva.

Fonte: Terra