Toda tragédia esportiva tem um lado feliz. Afinal, para haver um perdedor é preciso existir um vencedor.

Nesta quarta-feira à noite, o Unión Española venceu o Botafogo por 1 a 0 em pleno Maracanã, pela penúltima rodada da fase de grupos da Libertadores da América. Está classificado.

Tragédia botafoguense.

Feito histórico do time chileno.

É natural que a imprensa brasileira trate o jogo como “derrota do Botafogo”, por motivos jornalísticos e geográficos lógicos. No entanto, temos que enxergar também o que fez o Unión e não apenas o que não fez o time carioca.

As manchetes dos principais sites chilenos logo após o triunfo indicam o tamanho do feito.

El Gráfico

El Gráfico
El Gráfico
La Cuarta

La Cuarta
La Cuarta
La Tercera

La Tercera
La Tercera

A sistemática perseguição do Botafogo a tragédias nos cega em um momento como esse. Vamos procurar os motivos da derrota, relembrar tropeços homéricos do Glorioso, falaremos em Maracanazo. Mas há o outro lado, o lado vitorioso.

A comemoração dos jogadores do Unión Española em campo mostrou a importância que tem um jogo contra um time brasileiro no Maracanã. Mostrou o peso que temos sobre o nosso futebol, apesar dos pesares.

O choro de alguns torcedores chilenos nas arquibancadas do New Maraca evidencia o respeito que existe pela nossa história. E não estamos falando de uma equipe minúscula, mas de uma detentora de sete títulos nacionais chilenos e um vice de Libertadores.

Para eles, não importa se os jogadores do Botafogo não recebem salário há dois meses, se o time não é tão bom assim, se Clarence Seedorf não está mais lá, se Eduardo Hungaro ainda não está pronto para ser técnico.

Foi uma vitória no Maracanã. Diante do futebol brasileiro. Contra o histórico Botafogo. E isso é para sempre.

Fonte: Coluna do Gustavo Hofman - ESPN.com.br