Loco Abreu é um dos maiores ídolos recentes do Botafogo. O carismático atacante atuou no Glorioso por pouco mais de dois anos, conquistando de forma marcante o Campeonato Carioca sobre o Flamengo e fazendo os torcedores alvinegros sonharem com a parte mais alta da tabela no Brasileirão.

Quando chegou em General Severiano, em 2010, Abreu já era um cigano do futebol – algo que continua até os dias atuais, com mais de 25 times distribuídos em mais de 10 países. O seu grande laço afetivo no futebol era justamente com o time do seu coração, o Nacional de Montevidéu. No entanto, a Estrela Solitária fisgou o grandalhão e o escudo alvinegro passou até mesmo a ser bordado na icônica camisa que o uruguaio usa como segunda pele.

Quis o destino que Nacional e Botafogo, as suas maiores paixões clubística, se enfrentassem pelas oitavas de final da Copa Libertadores 2017. Com certeza, Abreu estará com o coração dividido. Mas o que aconteceria se o uruguaio estivesse em campo pelos times?

Abreu pelo Nacional

Sebastian Abreu - Nacional(Foto: El Pais)

Caso estivesse em campo pelo Tricolor de Montevidéu, Loco Abreu muito provavelmente faria um duelo de gigantes com o zagueiro Joel Carli. Afinal de contas, se o uruguaio tem 1,93m o argentino tem 1,91m.

El Loco, entretanto, apostaria tudo na provocação ao adversário. Com a sua característica de jogo, atuando sempre de forma a dar profundidade ofensiva aos seus time mas com pouca mobilidade, um erro alvinegro ou um pênalti seria a sua melhor chance.

Até porque o Nacional só aproveita 18,9% dos seus cruzamentos e finalizou somente 10 vezes de cabeça. Abreu não se encaixaria tanto na característica do time comandado por Martín Lasarte. Cansado, ele sairia de campo aos 15 minutos do segundo tempo sem ter conseguido estufar as redes da equipe comandada por Jair, que pelo alto já afastou um total de 134 bolas alçadas por cima.

Abreu pelo Botafogo

Loco Abreu - Botafogo(Foto: Fabio Castro/AGIF)

Com o time apostando na velocidade dos contra-ataques, Abreu começaria a partida no banco de reservas. Chateado com a condição, não teria pudor ao deixar isso claro perante a imprensa.

Mas como o Botafogo não conseguia fazer os seus gols no duelo árduo contra a melhor defesa dentre os clubes que avançaram para as oitavas de final, o uruguaio entraria em campo aos 30 do segundo tempo para decidir.

Pelo alto, aproveitando cruzamento de João Paulo, alvinegro que possui o melhor aproveitamento de cruzamentos certos [57,14%] entre os times, Abreu faria o seu gol de cabeça. E, acredite, ele comemoraria até mesmo contra o seu querido Nacional.

Fonte: Goal.com