Técnico do Botafogo em 2012 e 2013, Oswaldo de Oliveira fez boas campanhas no comando alvinegro, com destaque para a conquista da vaga para a Libertadores de 2014 via Campeonato Brasileiro. Porém, o treinador teve um episódio que ficou marcado: a saída de Loco Abreu.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

Grande ídolo do Botafogo à época, Loco Abreu foi titular absoluto nos anos anteriores com Joel Santana e Caio Júnior, porém com Oswaldo de Oliveira a situação mudou. O centroavante uruguaio revezava com Herrera no ataque e acabou negociado com o Figueirense quase simultaneamente à chegada de Seedorf no Glorioso. Os dois não jogaram juntos.

– Falei para ele “Abreu, você não é mais um jovenzinho, não vai conseguir jogar mais quarta e domingo com a mesma qualidade. Vamos escolher os jogos, fazer a preparação para você“. Acho que ele não ficou muito satisfeito. Chegou um momento que não quis viajar, daqui a pouco nos surpreendeu com a irrevogável decisão de sair. Anderson Barros e Mauricio Assumpção conversaram muito com ele, mas não adiantava falar. Uma pena, um jogador com a qualidade dele. Já não conseguia mais jogar com muita mobilidade, não acompanhava jogos muito dinâmicos. Quando jogava contra equipe de qualidade técnica menor, que você ficava mais no campo adversário, ele respirava, se posicionava bem e era terrível para marcar – explicou Oswaldo ao jornalista Thiago Franklin, do “Canal do TF”.

– Loco Abreu poderia ter sido muito melhor no Botafogo na minha época do que foi, se tivesse entendido o que a gente propôs. Mas de qualquer maneira foi um jogador admirável, um símbolo do Botafogo – adicionou.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo | Cupom de 10% de desconto

O treinador também explicou por que separou o “Ataque Mercosul” formado por Herrera e Loco Abreu, mudando o esquema de 4-4-2 para 4-2-3-1.

– A gente tem que ir identificando valores, qualidades e o momento do jogador. Não era preferência. Não escalo o time para jogar no esquema que eu quero, tento escalar os melhores jogadores no esquema adequado. A ideia era usar a força da linha de três com um dos dois como homem de gol. Jogávamos muito com os laterais, Lucas e Marcio Azevedo – lembrou.

Assista ao vídeo da entrevista abaixo:

Vote na enquete abaixo:

Fonte: Redação FogãoNET e Canal do TF