A classificação para a Libertadores da América ainda não está confirmada, mas a última imagem do Botafogo no Campeonato Brasileiro terá a marca da emoção. A vitória por 3 a 0 sobre o Criciúma, no Maracanã, devolveu o Alvinegro ao G-4 e deixou a vaga bem próxima. No entanto, será preciso esperar que a Ponte Preta não seja campeã da Copa Sul-Americana diante do Lanús, na quarta-feira, na Argentina. Na primeira partida, em São Paulo, houve empate por 1 a 1. Caso a Macaca fique com a taça, leva também o lugar na Libertadores, e o Brasileiro classificará apenas três equipes (Cruzeiro, Grêmio e Atlético-PR).

A vitória mostrou um time comprometido com o objetivo e muito disposto. Além do resultado consistente, chamou a atenção o apoio dos torcedores. Foram quase 35 mil alvinegros no estádio. Gente que aplaudiu Seedorf e o fez chorar. Autor do terceiro gol, Lodeiro e Elias marcaram os outros, o camisa 10 foi substituído aos 45 do segundo tempo e foi ovacionado. O técnico Oswaldo de Oliveira queria homenageá-lo. Eles trocaram um longo abraço na área técnica, e o craque foi às lágrimas. Como retribuição, mandou beijos aos torcedores. Depois, ele, os demais atletas e membros da comissão técnica correram de mãos dadas na direção das cadeiras para celebrar.       

Destaque também para a persistência do atacante Elias, que teve dois gols anulados corretamente, não desistiu e fez um para valer. Valeu também a boa atuação de Jefferson. Depois da falha contra o Coritiba, o goleiro foi importante com defesas em momentos cruciais do jogo contra os catarinenses. Para fechar, novas e merecidas homenagens a Nilton Santos. 

O choro de seedorf
O lado emocional de Seedorf é conhecido e neste domingo voltou a ficar evidente. Depois de jogar bem e fazer o terceiro gol da vitória, o camisa 10 deixou o campo aos 45 minutos do segundo tempo muito aplaudido. A substituição foi uma homenagem do técnico Oswaldo de Oliveira ao craque. Na saída, o holandês e o treinador se abraçaram, trocaram algumas palavras, e Seedorf chorou. Emocionado, devolveu o carinho com beijos para os alvinegros.  

a persistência de elias
Elias não desiste nunca. E mostrou isso no jogo contra os catarinenses. O jogador fez três gols, mas só o terceiro valeu. Nos dois primeiros, a arbitragem marcou impedimento corretamente e frustrou o atacante. A torcida chegou a pegar no pé dele, mas a recuperação veio aos 22 minutos do segundo tempo. A persistência foi premiada.   

após falha, jefferson se recupera
Depois da falha na derrota para o Coritiba, na penúltima rodada, Jefferson voltou a mostrar a conhecida qualidade. Apesar do domínio do Botafogo contra o Criciúma, o camisa 1 fez duas defesas importantes na partida. Ambas em chutes perigosos de fora da área. Na primeira, aos 12 minutos do primeiro tempo, em chute de João Vitor. Naquele momento, o Bota vencia por 1 a 0. A segunda foi logo no começo do segundo tempo, aos quatro minutos. Bruno Renan arriscou, e o goleiro evitou o empate.   

time e torcida unidos
A relação que passou por muitos abalos ao longo do ano parece refeita. Na busca pela volta ao G-4 na última rodada do Brasileirão, o Botafogo contou com o apoio de quase 35 mil torcedores no Maracanã. Enquanto os alvinegros incentivavam das cadeiras, o time jogava bem e com muita disposição. Deu certo. Após a partida, jogadores e membros da comissão técnica reconheceram o carinho e agradeceram. De mãos dadas, correram na direção do público.  

Adeus, enciclopédia
No primeiro jogo do Botafogo no Rio após a morte de Nilton Santos, as homenagens ao ídolo alvinegro continuaram. No uniforme dos jogadores, o número 6 sobre o escudo do clube foi mantido. Houve também um minuto de silêncio antes da partida. Já os torcedores exibiram um bandeirão com a imagem de Nilton.

Fonte: Globoesporte.com