Para tentar evitar novos confrontos entre integrantes de torcidas organizadas, como ocorreu entre membros de facções de Fluminense e Vasco, no último domingo, quando 118 torcedores foram presos e 99 indiciados por formação de quadrilha, o tenente-coronel João Fiorentini, comandante do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe), vai à Federação nesta terça-feira. Na reunião ele vai começar a definir o plano de ação para o jogo do próximo domingo, no Maracanã, entre Botafogo e Flamengo.

O comandante do Gepe adiantou que não descarta um aumento de efetivo no policiamento do estádio e arredores, mas esclareceu que a possibilidade ainda será analisada.

– A decisão é minha, e vou só tomá-la após concluirmos a análise da necessidade de reforço. Mas é certo que faremos o planejamento baseado nessa necessidade (de aumento de efetivo) – declarou Fiorentini.

CONVERSA COM FACÇÕES

No clássico do último domingo, Fiorentini destacou um efetivo de 450 policiais para um público estimado de 10 mil pessoas no Engenhão. Isso porque as duas principais torcidas organizadas haviam proposto fazer daquela partida um clássico da paz, para dar o exemplo. Não foi o que aconteceu.

– O problema são as pessoas. Não é o estádio, local, ou outro tipo de estrutura. São as pessoas. Por isso, mesmo após a reunião na Federação, vamos procurar os integrantes das organizadas para conversarmos. Mas repito: o problema não é o sofá, é quem está nele – declarou o comandante.

Fonte: O Globo Online