O dirigente lembrou o trabalho que Espinosa vinha realizando no Alvinegro – era gerente de futebol desde dezembro – e o título do Campeonato Carioca de 1989, quando ele era treinador e o Botafogo encerrou um jejum de títulos de 21 anos.

“Uma perda dupla porque, ao mesmo tempo que o Botafogo perde um grande profissional, que estava atuando e ajudando o clube nesse processo de recuperação, de reorganização do departamento de futebol, a gente perde um ídolo. Uma pessoa que conduziu aquele peso de 21 anos, conduziu aquele grupo maravilhoso e conseguiu liberar o Botafogo daqueles momentos tão difíceis. Eu jamais vou esquecer o Valdir Espinosa no campo, apontando para o placar e só se dando por satisfeito a partir do momento que o placar iluminou o Botafogo campeão. Isso é inesquecível. Ele vai estar sempre em nossos corações”, disse.

Carlos Eduardo Pereira foi presidente do Botafogo entre 2015 e 2017. Atualmente, ele é vice-presidente da gestão, encabeçada por Nelson Mufarrej.

Fonte: UOL