O presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, completa nesta sexta-feira um mês no cargo. E ele já definiu a maior dificuldade encontrada nesse período: a falta de credibilidade. Sufocado em dívidas e problemas fiscais e trabalhistas, tendo de conviver com empréstimos misteriosos da antiga gestão, ele falou sobre o assunto em entrevista ao Globoesporte.com.

– O primeiro cenário que encontramos pior do que esperado foi a falta de credibilidade do clube. Em todos os contatos que fizemos, sempre o primeiro encontro era negativo, pois as pessoas não acreditavam mais no que o Botafogo falava. Então foi preciso mostrar que por conta disso os sócios escolheram a mudança. Gradualmente estamos resgatando essa credibilidade, mas a situação segue extremamente difícil. Além de ainda não termos as receitas liberadas, o volume de contas vencendo umas sobre as outras, sem que haja recursos, coloca a coisa mais complicada. Cada dia é uma dívida nova, um credor notificando, questões trabalhistas, atletas… O passivo é monstruoso – disse, completando em seguida:

– A verdade é que para muitos credores o Botafogo continua sendo um mau pagador e poucos têm a disposição de negociar. Mas estamos tentando explicar que com o orçamento atual já não dá para o clube funcionar, quanto mais ter um excedente para pagar as contas. Esse é o nosso principal desafio: conseguir conciliar a falta de recursos com o entendimento dos credores e busca de dinheiro novo para fazer o clube rodar minimamente. Temos o compromisso inadiável de retornar à Primeira Divisão. Fazer esse malabarismo não vai ser fácil.

Fonte: Globoesporte.com