Na contramão de Corinthians, Vasco, Botafogo, Cruzeiro e Atlético-MG, que devem renovar o vínculo de transmissão do Campeonato Brasileiro com a Rede Globo, a Ponte Preta decidiu fechar com o Esporte Interativo (EI) de 2019 a 2024. As cifras ajudarão (e muito) os cofres alvinegros.

O atual vínculo com a Rede Globo termina ao final da temporada 2018, mas o clube campineiro optou por já se reunir e aceitar a proposta do EI. O canal pagará aproximadamente R$ 200 milhões para transmitir a competição, sendo que cada clube deverá embolsar pelo menos R$ 30 milhões.

Antes, outros clubes da Série A já havia decidido assinar com o Esporte Interativo: Atlético-PR, Coritiba, Internacional, Santos, Santa Cruz e Figueirense.Além disso, Bahia, Ceará, Sampaio Corrêa, Joinville, Paysandu e Paraná, da Série B, também já optaram por também ‘abandonar’ a emissora do ‘plim plim’. O Fortaleza, da Série C, também já fechou com a EI.

A lista ainda deverá aumentar, já que Flamengo, Palmeiras, Grêmio, América-MG e Chapecoense também analisam a proposta ou esperam que a Globo cubra a oferta para transmitir seus jogos.

Do outro lado, apenas o São Paulo já confirmou a prorrogação do vínculo com a Globo. Corinthians, Vasco, Botafogo, Vitória, Sport, Cruzeiro, Atlético-MG e Fluminense estão próximos de fecharem com a emissora também.

DUELO DE TITÃS
A tentativa do Esporte Interativo em adquirir os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro para TV fechada fez a TV Globo abrir os cofres para manter o domínio do Sportv. Ameaçado pela emissora do Grupo Turner, dos Estados Unidos, o canal do “plim plim” aumentou a oferta – que era de cerca de R$ 100 milhões – e decidiu oferecer R$ 500 milhões anuais para manter os direitos de transmissão por mais seis anos, entre 2019 e 2024.

E mais: a Globo aceitou a divisão seguindo o modelo da Premier League, primeira divisão inglesa. Agora, 40% do total (R$ 200 milhões) serão divididos de maneira igualitária a todos os 20 clubes, o que garantirá R$ 10 milhões para cada um. Além disso, 30% (R$ 150 milhões) serão divididos de acordo com a classificação do ano anterior, premiando o desempenho, e outros 30% (R$ 150 milhões) serão rateados conforme o número de jogos transmitidos. No caso do EI, a divisão seria 50% de forma igual, 25% por desempenho e 25% por audiência.

Nos últimos meses, o Esporte Interativo causou um alvoroço entre dirigentes dos grandes clubes brasileiros. Afinal, o canal havia apresentado uma proposta de R$ 550 milhões anuais pelos direitos pelo mesmo período (2019-2024). O contrato total chegaria a incríveis cifras de R$ 3,3 bilhões e garantiria uma divisão também seguindo o modelo inglês.

Os R$ 50 milhões de diferença a favor da proposta do Esporte Interativo não parece incomodar os clubes. Pelo menos, os grandes clubes terão direito a uma luva de R$ 60 milhões por fecharem contrato com a Globo, enquanto o EI pagaria valores superiores a R$ 40 milhões de luvas. Clubes menores que fecham contratos anuais, casos de Ponte Preta, Chapecoense, Figueirense, América-MG e Santa Cruz, não receberão luvas no caso da Globo.

Fonte: Futebol Interior