Logo nas primeiras horas da manhã, foram presos três dirigentes de organizadas do Fluminense: Manuel de Oliveira Menezes, presidente da Young Flu; Luiz Carlos Torres Júnior, o Fila, vice-presidente da mesma torcida; e Ricardo Alexandre Alves, o Pará, presidente da Força Flu. Um quarto, ainda segunda a emissora, Carlos Roberto de Almeida, da torcida Fiel Tricolor, está foragido.

Entre os alvos dos mandados de condução coercitiva estão pessoas ligadas a todos os clubes grandes do Rio. São dois dirigentes do Fluminense, um do Botafogo (Anderson Simões, vice-presidente de Estádios) e o presidente de uma organizada do time (Fil, da Fúria Jovem); um funcionário do Vasco e também um líder de organizada; e um líder da maior torcida do Flamengo (Alessom Galvão de Souza, da Raça Rubro-Negra) e um empresário ligado à equipe.

No total, são quatro mandados de prisão, oito de condução coercitiva e ainda 14 de busca e apreensão – que incluem o Engenhão, São Januário, Maracanã e Laranjeiras.

Segundo as autoridades, investigações identificaram relação suspeita entre os quatro grandes clubes cariocas e algumas de suas torcidas organizadas, incluindo, entidades banidas dos estádios pela Justiça – apesar da punição, líderes das agremiações seguiam recebendo ingressos das equipes, que eram repassados para venda de cambistas.

Fonte: ESPN.com.br